Ordem dos Médicos acusa ministra de empurrar profissionais para fora do SNS

Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais falta de médicos e a que menos conseguiu atrair este profissionais durante o último concurso de medicina geral

A Ordem dos Médicos acusou esta quinta-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, de empurrar para fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS) os médicos. Segundo o bastonário, no último concurso com 113 vagas para especialistas em Medicina Geral Familiar foram preenchidos apenas 73 lugares.

"Este concurso é mais uma prova de que a atual política de contratação de recursos humanos não serve nem o país nem o SNS e a prova de que também nada de eficaz está a ser feito para conseguir atrair médicos para zonas carenciadas", diz o bastonário Miguel Guimarães, no comunicado.

Segundo o médico, a região de Lisboa e Vale do Tejo é a que precisa de mais profissionais de saúde e a que menos conseguiu atrair médicos no último concurso. Para Miguel Guimarães a culpa é da ministra que, segundo este, não consegue dar condições aos médicos para fazerem o seu trabalho.

"Este deserto histórico em termos de número de candidatos é um reflexo da atitude que a ministra da Saúde tem demonstrado. Ao invés de acarinhar os profissionais de saúde, a tutela tem escamoteado os graves problemas do Serviço Nacional de Saúde e ameaçado com retenções obrigatórias de médicos que em nada contribuem para que tenham vontade de trabalhar no sistema público de saúde", referiu.