O cavalo de Tróia que causa o regresso do cancro

Investigadores de Barcelona descobriram o segredo das chamadas células tumorais dormentes, DTC na sigla em inglês, e agora têm agora um novo alvo terapêutico

Discretas e silenciosas, libertam-se dos tumores e viajam através do corpo. E depois instalam-se noutros órgãos, à espera, num estado de dormência - por isso lhes chamam na sigla em inglês DTC, de dormant tumor cells. Um dia, sem que se saiba o que desencadeia essa nova fase, estes cavalos de Tróia do cancro despertam e a doença regressa nos doentes que aparentemente estavam curados. Agora uma equipa de investigadores espanhóis, em colaboração colegas suíços, descobriu que é uma enzima chamada TET2 que controla a sobrevivência destas células: elas permanecem dormentes e indetetáveis, e assim conseguem escapar aos tratamentos.

Com a descoberta agora feita, os investigadores identificaram também um novo biomarcador para identificar estas células, que são bombas-relógio a prazo, e que assim, passíveis de ser detetadas, podem ser destruídas antes de causarem estragos.

A descoberta, dizem os seus autores, põe em evidência um novo alvo terapêutico, para o combate ao regresso do cancro, e a equipa, que é liderada por Héctor G. Palmer, do Instituto de Oncologia de Vall d'Hebron, na região de Barcelona, até já está a trabalhar nisso.

"A partir do momento em que identificámos a TET2 como o calcanhar de Aquiles destas células, temos estado a focar-nos no desenvolvimento de novos inibidores para bloquear a atividade desta enzima. Este novo arsenal anti-cancro é, assim, uma promessa para contrariar a resistência [destas células] e prevenir o regresso da doença em alguns doentes", explica a investigadora Isabel Puig, da equipa de Héctor Palmer, e a principal autora deste estudo, que acaba de ser publicado na revista científica Journal of Clinical Investigation.

Para encontrar estas células DTC nas biopsias normais, os investigadores desenvolveram também uma técnica que "apanha" nas suas malhas o biomarcador que as denuncia. Isso significa que a partir de agora podem ser rapidamente identificadas.
Na prática, estas células têm sido até agora imunes aos tratamentos habituais contra o cancro justamente porque, nesse seu estado de dormência, não induzem o crescimento tumoral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.