O cavalo de Tróia que causa o regresso do cancro

Investigadores de Barcelona descobriram o segredo das chamadas células tumorais dormentes, DTC na sigla em inglês, e agora têm agora um novo alvo terapêutico

Discretas e silenciosas, libertam-se dos tumores e viajam através do corpo. E depois instalam-se noutros órgãos, à espera, num estado de dormência - por isso lhes chamam na sigla em inglês DTC, de dormant tumor cells. Um dia, sem que se saiba o que desencadeia essa nova fase, estes cavalos de Tróia do cancro despertam e a doença regressa nos doentes que aparentemente estavam curados. Agora uma equipa de investigadores espanhóis, em colaboração colegas suíços, descobriu que é uma enzima chamada TET2 que controla a sobrevivência destas células: elas permanecem dormentes e indetetáveis, e assim conseguem escapar aos tratamentos.

Com a descoberta agora feita, os investigadores identificaram também um novo biomarcador para identificar estas células, que são bombas-relógio a prazo, e que assim, passíveis de ser detetadas, podem ser destruídas antes de causarem estragos.

A descoberta, dizem os seus autores, põe em evidência um novo alvo terapêutico, para o combate ao regresso do cancro, e a equipa, que é liderada por Héctor G. Palmer, do Instituto de Oncologia de Vall d'Hebron, na região de Barcelona, até já está a trabalhar nisso.

"A partir do momento em que identificámos a TET2 como o calcanhar de Aquiles destas células, temos estado a focar-nos no desenvolvimento de novos inibidores para bloquear a atividade desta enzima. Este novo arsenal anti-cancro é, assim, uma promessa para contrariar a resistência [destas células] e prevenir o regresso da doença em alguns doentes", explica a investigadora Isabel Puig, da equipa de Héctor Palmer, e a principal autora deste estudo, que acaba de ser publicado na revista científica Journal of Clinical Investigation.

Para encontrar estas células DTC nas biopsias normais, os investigadores desenvolveram também uma técnica que "apanha" nas suas malhas o biomarcador que as denuncia. Isso significa que a partir de agora podem ser rapidamente identificadas.
Na prática, estas células têm sido até agora imunes aos tratamentos habituais contra o cancro justamente porque, nesse seu estado de dormência, não induzem o crescimento tumoral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.