O casal que tem um tigre de Bengala e mais 230 animais selvagens na sua quinta

Casal inglês pede autorização para transformar a sua propriedade num jardim zoológico. Mas alguns vizinhos queixam-se do ruído e do mau cheiro dos animais.

Um tigre, leões, camelos, zebras, cangurus, lémures, galinhas, porcos e muito mais. Ao todo, o negociante de sucata Andrew Riddel, de 50 anos, e a sua mulher, Tracey Walters, de 53, têm 235 animais, muitos deles selvagens, na sua propriedade em Horncastle, Lincolnshire, no Reino Unido. Tudo começou em novembro de 2012 quando Andrew, que já tinha alguns burros, comprou uma zebra, chamada Marty, para oferecer à mulher. "Pouco depois, decidiu procurar um parceiro para Marty. E a partir daí não mais parou.

Eles admitem que rapidamente a sua "coleção" ficou "fora de controlo". Até que no ano passado, um circo ofereceu-lhe Syas, um tigre de Bengala. "O animal nunca viveu de modo selvagem. Se fosse libertado na selva morreria, ele não sabe caçar", explicou na altura Andrew Riddel. "Eu não fazia questão de ter um tigre, mas não podia recusá-lo."

Ter um animal tão raro incentivou o casal a dar o próximo passo: criar um parque selvagem natural aberto ao público na sua propriedade de 17 hectares. Para isso, precisam de uma licença especial para abrir um jardim zoológico e também têm de convencer os vizinhos que este empreendimento não vai incomodar as suas vidas. Não tem sido fácil.

Alguns vizinhos questionam se será seguro ter animais selvagens perto de uma zona habitacional, especialmente por causa das crianças. Também a promotora imobiliária Larkfleet Homes teme que os terrenos em volta do parque selvagem percam o seu valor, devido aos ruídos e ao mau cheiro dos animais. "Isso é um insulto", reagiu Riddel ao The Times . "Se eu dissesse a alguém: o seu filho cheira mal, como é que reagiriam? Os meus animais estão mais limpos do que algumas pessoas que andam nas ruas."

Mesmo sem ter ainda todas as autorizações necessárias, Andrew Riddel decidiu abrir o parque ao público, de forma experimental, no fim de semana passado. Chamou-lhe Wolds Wildlife Park. E conta com o apoio de muitos vizinhos que acham que o parque é "um lugar fantástico", onde é possível "estabelecer uma ligação com os animais". 1500 pessoas assinaram uma petição intitulada "Salvem o Wolds Wildlife Park" e que pretende pressionar as autoridades para permitir o funcionamento do zoo.

"Os animais são os meus bebés", explica Andrew Riddel. "Sempre adorámos animais, Não planeámos isto. Mas coisas evoluíram desta forma e não é um sacrifício tomar conta destes animais, é um prazer."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.