Novo reitor em Coimbra: Amílcar Falcão, o vice que rejeita ser solução de continuidade

De 54 anos e natural da Nazaré, Amílcar Falcão é doutor em Farmácia pela Universidade de Coimbra e foi vice-reitor nos últimos dois mandatos. Foi eleito reitor esta segunda-feira e vai tomar posse no dia 1 de março.

Amílcar Falcão foi eleito esta tarde Reitor da Universidade de Coimbra. O até agora vice-reitor toma posse a 1 de março e vai liderar a universidade mais antiga do país até 2023.


De 54 anos e natural da Nazaré, Amílcar Falcão é doutor em Farmácia pela Universidade de Coimbra. Vice-reitor nos últimos dois mandatos reitorais (2011-2015 e 2015-2019) e diretor do Instituto de Investigação Interdisciplinar desde 2013, o professor catedrático da Faculdade de Farmácia da UC venceu a eleição para o mandato 2019-2023 com um programa de ação intitulado "Citius, Altius, Fortius" (inspirado no lema olímpico "mais alto, mais forte, mais longe").


Ao DN, antes da eleição de hoje, Amílcar Falcão sublinhava ter "uma visão para a universidade bastante diferente daquela que tem sido a do atual reitor", João Gabriel Silva, rejeitando ser um candidato de continuidade. "Temos pontos em comum, senão não faria parte da equipa dele, mas há diferenças, até ao nível da personalidade. Tenho uma forma diferente de lidar com as pessoas e os assuntos".

O novo reitor defende uma "muito superior visibilidade nacional e internacional" da universidade, apostando "numa comunicação mais agressiva e numa investigação cada vez mais forte e com maior impacto"


Em relação ao passado recente, "não teria" tomado a decisão de "fazer notícia" com os números da fraude académica na instituição. Como apostas para o futuro, o novo reitor defende uma "muito superior visibilidade nacional e internacional" da universidade, apostando "numa comunicação mais agressiva e numa investigação cada vez mais forte e com maior impacto".


A eleição do Reitor da Universidade de Coimbra é feita, desde 2011, numa reunião plenária do Conselho Geral da instituição. O organismo é constituído por 35 membros: 18 representantes dos professores e investigadores, cinco representantes dos estudantes, dois representantes dos funcionários não-docentes e não-investigadores e dez personalidades de reconhecido mérito, externas à Universidade.


Os outros candidatos à eleição do Reitor da Universidade de Coimbra para o mandato 2019-2023 foram a brasileira Duília Fernandes de Mello, Ernesto Costa e José Pedro Paiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.