Não existe quantidade segura para o consumo de álcool, diz estudo

Em 2016, os homens portugueses consumiam uma média diária de sete bebidas alcoólicas, de acordo com a Universidade de Washington

Em 2016 cerca de três milhões de mortes estavam ligadas ao consumo de álcool, sendo que 12% são de homens com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos, segundo um estudo publicado esta sexta-feira na revista médica internacional The Lancet e disponível na página do Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação da Universidade de Washington, nos EUA.

Entre 1990 e 2016 foram analisados os resultados e os padrões de saúde de consumidores de álcool, tendo por base a idade e o género em 195 países e territórios. Foram analisados dados relativos ao consumo atual, períodos de abstinência, e doenças entre os consumidores mais regulares, nomeadamente doenças transmissíveis e intransmissíveis, entre as quais cardiovasculares e oncológicas.

"São muitos os riscos de saúde associados ao álcool. As nossas descobertas são consistentes com outras pesquisas recentes, que encontraram ligações claras e convincentes entre a bebida e mortes prematuras, cancro e problemas cardiovasculares", diz Emmanuela Gakidou.

O mesmo estudo indica que em média cada pessoa consome diariamente dez gramas de álcool puro, o equivalente a um copo de vinho tinto de 100 ml (com um volume de álcool de 13%), uma garrafa ou lata de cerveja de 375 ml (com um volume de 13%) e um shot de whiskey ou outras bebidas espirituosas de 30 ml (40% do volume de álcool).

Os padrões do consumo de álcool variam consoante o país e o sexo, o consumo médio por pessoa assim como a carga de doenças atribuída. Assim, em 2016 cerca de mil milhões de pessoas consumiam álcool, sendo 63% do sexo masculino. No Reino Unido, por exemplo, uma bebida padrão corresponde a oito gramas de álcool, enquanto na Austrália corresponde a dez gramas, nos Estados Unidos 14 gramas e no Japão 20 gramas.

"Compreendemos agora que o álcool constitui uma das maiores causas de morte em todo o mundo. Precisamos de agir agora. Precisamos de agir urgentemente para prevenir estas milhões de mortes. E nós podemos fazer isso", disse o editor da The Lancet Richard Horton.

Para este estudo da Carga Anual de Doenças (GBD) contribuíram mais de 500 pessoas, entre as quais académicos, investigadores e outros colaboradores de mais de 40 países, de acordo com o investigador sénior Max Griswold. "Com a maior base de dados recolhidos até ao momento, o nosso estudo estabelece uma ligação clara entre a saúde e o consumo de álcool - beber causa uma perda substancial de saúde, em várias formas, em todo o mundo", disse Griswold.

No estudo estão incluídas 694 fontes de dados do consumo de álcool ao nível individual e da população, bem como 592 estudos prospetivos e retrospetivos no que toca aos riscos do consumo de álcool.

Em 2016, dez países apresentavam as menores taxas de mortalidade ao nível global: Kuwait, Irão, Palestina, Líbia, Arábia Saudita, Iémen, Jordânia, Síria, Maldivas e Singapura. Em contrapartida, países como a Rússia, a Ucrânia, a Lituânia, a Bielorrússia, a Mongólia, a Letónia, o Cazaquistão, o Lesoto, o Burundi e a República Centro-Africana apresentavam, no mesmo período, as taxas de mortalidade mais elevadas.

"Existe uma necessidade urgente de reformular pesquisas que encorajam a redução dos níveis do consumo de álcool ou uma abstinência completa. O mito de que uma ou duas bebidas por dia é ótimo é precisamente isso - um mito. E este estudo vem quebrar esse mito", disse Gakidou.

Em 2016 Portugal registava um consumo diário de sete bebidas alcoólicas no sexo masculino, ficando apenas atrás da Roménia, com oito bebidas.

Ler mais

Exclusivos