"Na nossa história científica nada é comparável ao que aconteceu nas navegações"

O investigador Henrique Leitão, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, vai fazer um estudo inovador sobre os roteiros náuticos ibéricos dos séculos XVI e XVII. A ideia é perceber como nasceu a ideia da Terra global

Físico e historiador da ciência, Henrique Leitão acaba de ganhar uma bolsa do Conselho Europeu de Investigação (ERC, na sigla inglesa), no valor de dois milhões de euros, para fazer um estudo sistemático dos roteiros náuticos oceânicos que serviram a portugueses e espanhóis para se lançarem nas navegações de longa duração, a partir do final do século XV. Essa documentação, que foi sendo enriquecida a cada viagem, contém as primeiras informações chegadas à Europa sobre outros continentes, outros mares, outros regimes de ventos, e outros animais e plantas, mas que até hoje nunca foram analisadas do ponto de vista da história da ciência. Fazendo esse estudo inovador, Henrique Leitão espera compreender como emergiu essa ideia, hoje banal, da globalidade da Terra. Como o contacto com outras realidades da meteorologia e do clima, da geografia e da natureza e a sua comparação e análise na época forjaram essa ideia revolucionária, que ajudou depois à construção do pensamento científico. São muitas as perguntas e Henrique Leitão espera muitas novidades. Afinal, já está habituado a mergulhar nos arquivos, e a lançar um olhar novo sobre a documentação daquela época.

Acabou de ganhar uma bolsa europeia de dois milhões de euros para estudar os primeiros roteiros de navegação oceânica que se conhecem, que são portugueses e espanhóis. Que documentos são estes?

Os roteiros oceânicos são documentos conhecidos há muito na história portuguesa. Sobre alguns deles há trabalhos muito bons, mas a perspetiva foi sempre a da história da náutica, porque se trata de documentos com instruções para fazer uma viagem. Em geral são manuscritos, embora mais tarde haja alguns impressos. Têm uma história muito antiga, mas tornam-se verdadeiramente interessantes quando passam a ser oceânicos. Por exemplo, numa viagem de Lisboa a Goa, tem todas as instruções para o piloto fazer a viagem, mas vão sendo corrigidos e ampliados de viagem para viagem, com o que se aprende em cada uma delas. E é extraordinário quando as viagens passam a ser de uma dimensão imensa, como as viagens portuguesas do século XVI, porque tem de constar ali uma informação de um oceano inteiro, quase da escala do planeta. Embora tivessem sido muitas vezes estudados do ponto de vista da história da náutica, dei-me conta, há algum tempo, de que estes documentos são repositórios de informação importantíssima para a história da ciência.

Em que sentido?

Além da informação técnica sobre como viajar, contêm dados sobre ventos, correntes, contornos de costa, perigos no mar, observações de animais, instruções do género "quando vires certos animais, estás em tal zona", informações sobre fenómenos meteorológicos e sobre magnetismo. Os primeiros grandes levantamentos de magnetismo ao longo da Terra aparecem nestes documentos do século XVI e XVII. Então isto quer dizer que temos uma massa documental enorme em Portugal e em Espanha, que não está ainda toda bem localizada, mas, mesmo quando está, só foi analisada do ponto de vista da náutica. Agora é preciso ter um olhar completamente diferente sobre estes documentos.

Que olhar é esse?

O que mostra pessoas que, pelo facto de se estarem a deslocar fisicamente, começam a trabalhar com conceitos e noções da Terra que são em si globais. Em vez de dizerem, por exemplo, que no ponto A, ou no ponto B, sopra um vento, começam a dizer que há ventos regulares habituais em certas zonas do globo, e isto é uma diferença enorme. Toda a experiência europeia dos fenómenos meteorológicos, geofísicos, e mesmo do mundo natural, era até aí localizada. Mas a partir dessa altura começa-se a fazer comparações. Comparam-se certos tipos de ventos no Índico com os do Atlântico, assim como fenómenos meteorológicos de um mar, com os de outro mar, e então começa a nascer progressivamente esta ideia, para nós hoje tão familiar, de uma globalidade do comportamento geral da Terra, que poderíamos pensar que não foi construída, mas que teve de ser construída. Qual é o fenómeno associado a isto? É o da deslocação física de pessoas em distâncias muito grandes. Isso deu origem a conceitos sobre a estrutura da Terra que são também eles muito globais. Era impossível a uma pessoa sentada num gabinete, por mais genial que fosse, chegar a estas ideias. Então é isto que queremos agora estudar. E nossa pergunta é esta: como é que isso se formou?

Como percebeu que era preciso fazer essa pergunta?

Eu conhecia os roteiros do ponto de vista da história da náutica. Há poucos anos supervisionei uma tese de doutoramento muito boa, do comandante Malhão Pereira, em que pela primeira vez começámos a olhar para aqueles roteiros fazendo outras perguntas, não apenas sobre a forma como se navegava. Por exemplo, que tipo de informação sobre a história natural está ali? Aprendi muito com o autor da tese e, nos anos que durou o trabalho, fui-me dando conta da riqueza destes documentos. Apercebi-me de que temos aqui uma massa documental riquíssima, de imensa importância para a história da ciência, mas que ainda não foi explorada como tal. Também porque há dificuldades óbvias. Estão em português e espanhol, línguas com as quais muitos historiadores não conseguem trabalhar, e a maior parte são manuscritos. Isso levou a que os historiadores de ciência nunca os tivessem considerado importantes para a história da ciência. Dei-me conta disto e, falando com colegas portugueses e estrangeiros, ficou óbvio para toda a gente. E eu tenho aqui no grupo, que é muito bom, as condições certas para fazer este estudo.

Foi só a questão da língua que arredou os investigadores estrangeiros do seu estudo, ou não sabiam da existência destes documentos?

Foi sobretudo por causa língua, mas também porque a discussão em torno da modernidade científica ficou muito colocada no final do século XVII e na astronomia. Hoje, não sou só eu, muitas pessoas questionam isso e pensam que a construção de uma ciência moderna teve a ver com muitos factores, que não foram só os debates astronómicos, nem a história tradicional do Galileu, Kepler e Newton. Isso teve a ver, e isso hoje é muito mais claro, com este movimento expansionista da Europa, que colocou problemas completamente novos, porque se encontraram continentes, animais e plantas completamente diferentes. Mas os roteiros não são compreensíveis sem uma estrutura de apoio à sua redação e utilização. Por detrás destas viagens houve algum tipo de preparação em que eles desempenhavam um papel, mas foram precisas recolhas sistemáticas de material, e foi preciso que em Lisboa e em Sevilha esse material fosse analisado. A partir de certa altura começamos a observar compilações destes materiais. Claramente, esta informação foi toda usada, e existiram instituições e pessoas cujo trabalho foi analisá-la, mas sobre as quais sabemos pouquíssimo.

Quem fazia estes roteiros? Eram os pilotos dos navios?

É uma ótima pergunta. Temos alguns nomes, são habitualmente pilotos, mas também há roteiros que não foram feitos por eles. Há uns muitos famosos que foram feitos por D. João de Castro, que não era piloto. Era um homem muito culto, que foi depois vice-rei da Índia, que era uma personalidade muito complexa, e que não cabe no perfil de um piloto.

Na época, esses roteiros eram estudados?

Estamos muito interessados nessa questão. O que sabemos é que o resultado do que estava nos roteiros começa, a certa altura, a influenciar a maneira como se descreve a natureza. É completamente diferente ver estudos ou descrições da Terra no século XV e no século XVII. Passa a haver uma familiaridade com outros sistemas climáticos ou regimes de ventos, e já se sabe perfeitamente que noutras regiões do mundo há fenómenos que são diferentes, mas comparáveis. Até ao século XV não se tem a mais pequena ideia disso. Portanto, a resposta é sim, os roteiros foram estudados na época, mas ainda sabemos pouco sobre isso, ou sobre como essa informação depois se difundiu. O exemplo mais óbvio é o do magnetismo terrestre. Nas primeiras viagens não há nenhuma ideia de que há magnetismo em toda a Terra. Isto vai sendo percebido a pouco e pouco, mas no final do século XVI é absolutamente claro que em qualquer ponto da Terra há um magnetismo, que é diferente de sítio para sítio, e que a Terra, toda ela, é como uma espécie de um grande íman complexo. Não é dito desta maneira, mas há coleções imensas de dados magnéticos, que iam sendo medidos durante as viagens, com a anotação da declinação magnética, que é a diferença entre o Norte magnético e o Norte geográfico. Temos listas muito grandes desses dados, o que é muito importante, porque hoje temos modelos de computadores que conseguem, a partir desses dados, ver como era o campo magnético na altura, e podemos fazer comparações com os próprios registos. Já publiquei isto com Joaquim Gaspar [investigador do mesmo grupo na Universidade de Lisboa, que ganhou há dois anos uma bolsa ERC para um projeto sobre cartografia], num artigo em que comparamos os modelos com as medidas feitas, e vamos fazer isso também neste estudo. Há colegas da geofísica muito interessados nestes dados porque isso é informação sobre o campo magnético da Terra no passado. Vamos retirar esses dados dos roteiros e dar-lhes a informação.

Então isso ainda não está sistematizado

Não. Estes roteiros são mais um exemplo de uma imensa documentação portuguesa que ainda não foi suficientemente estudada do ponto de vista da história da ciência. A novidade do projeto é colocar estes documentos num âmbito diferente, que levanta perguntas completamente diferentes, para saber como as nossas ideias sobre a Terra como um todo se formaram, a partir do saber recolhidos durante essas primeiras navegações oceânicas. O objectivo do projeto não é só a recolha sistemática informação. É também fazer depois sobre ela uma análise completamente inovadora de como nós, europeus, formámos estas ideias que temos sobre a Terra. Implica analisar os documentos, as instituições onde eles eram analisados e um certo tipo de personagens, que não sabemos se eram cientistas de topo, mas entre os quais havia pessoas de níveis mais artesanais, como pilotos, construtores de instrumentos ou cartógrafos, e tentar perceber como funcionavam entre si, para perceber como tratavam estes documentos. Há uma conexão evidente com a cartografia. Hoje sabemos que as cartas náuticas estão muito ligadas aos roteiros, porque muitas vezes se encontra neles a referência "veja-se na carta". Na prática deviam ser usados em conjunto, mas ainda não sabemos bem como isso era feito.

Acha que vão descobrir isso com este projeto?

Espero que sim, porque a documentação nunca foi estudada sistematicamente e no seu todo.

Disse que ainda há documentos destes por descobrir. O que é que indicia isso?

A maneira como os últimos têm aparecido, muitas vezes metidos no meio de outros documentos, em coleções de miscelâneas. E as bibliotecas estão cheias dessas miscelâneas. Outros estão referenciados, mas nunca foram lidos. A situação em Portugal, apesar de tudo, é bastante melhor do que em Espanha, porque aqui houve historiadores que se interessaram pela história da náutica e, portanto, já temos uma ideia do que existe. Em Espanha sabemos menos, portanto teremos de ver os arquivos espanhóis. E a seguir é preciso fazer comparações com roteiros ingleses e de outros países, como a Holanda, para ver em que medida eles foram influenciados por estes roteiros oceânicos da Península Ibérica, do final do século XV, que foram os primeiros. Sabemos que os dos outros países foram influenciados por estes. Daqui a cinco anos, se as coisas correrem bem, podemos ter uma ideia consideravelmente diferente da que temos hoje sobre o modo como pensámos esta ideia da globalidade da Terra. Há conceitos de ciência que são o resultado de longos processos de acumulação de ideias. E não foi alguém sozinho num gabinete que inventou uma ideia como esta. É por causa disto que as navegações portuguesas e ibéricas são tão importantes.

E, no entanto, elas têm estado no centro de uma polémica por causa do projeto de Museu das Descobertas, que há quem conteste, dizendo que isso é celebrar uma atividade que esteve ligada à escravatura. Esta polémica faz sentido?

Acho bem que as pessoas discutam tudo, e isto é uma coisa tão importante que as pessoas devem discuti-la. A mim incomoda-me que haja aspectos de imposição de uma certa visão da história, penso que não está bem. Claro que temos de arranjar uma maneira de contar isto de forma rica e informada, mas não podemos chegar ao ponto de não poder falar das navegações. Em história da ciência, e agora só estou a falar desta, não vejo como se possa abandonar a ideia de descobrimento. Se quiserem dizer que o fenómeno foi muito mais complexo, com certeza. Mas em história da ciência, nas viagens, a sua preparação e os seus resultados, não é possível não falar de descobrimento. Dá a sensação de que simplesmente não se quer falar disto e seria totalmente incompreensível que ficássemos agora impossibilitados de falar do período claramente mais interessante da nossa história científica. Não há nada comparável a isto na nossa história científica. E temos tudo, desde as grandes figuras, como Pedro Nunes, a pilotos pouco instruídos que fazem as viagens, a cartógrafos, construtores de instrumentos, pessoas a fazer estudos de história natural, Garcia da Orta a descrever plantas que vêm da Índia, e outros a tentar descrever o que se passa na Ásia e nas Américas. É de uma riqueza e de uma novidade imensas, e isso nasce aqui em Portugal, e em Espanha. Seria uma pena que isto deixasse de ser contado.

Os resultados do seu projeto poderão ajudar a tornar esta discussão mais aberta?

Penso que não. Estou a tratar de história da ciência, e neste debate é a leitura geral sobre a expansão portuguesa que está em jogo. O que posso dizer é que em relação aos contributos científicos, foi muito mais interessante do que as pessoas pensam e isso, espero, o projeto poderá mostrar, bem como tudo o que temos aprendido da história científica ibérica nos últimos 20, ou 30 anos. Hoje percebe-se que é muito difícil entender o século XVII centro-europeu sem perceber o século XVI ibérico, justamente por causa das navegações. Porque é nesse contexto que surgem ideias, práticas técnicas e instituições completamente diferentes, inesperadas e inovadoras, que se introduzem depois no discurso de toda a Europa. Foi um trabalho feito com informação proveniente dos mais diversos lugares do mundo, que chegou toda ao mesmo sítio, e aí foi analisada. Não conheço nenhum exemplo assim, de uma forma sistemática, como este de Portugal, antes do século XVI.

São cinco anos para passar os arquivos em revista, analisar e estudar a documentação. O tempo vai chegar para tudo?

A equipa que vamos criar será decisiva. Se conseguirmos contratar investigadores e alunos de doutoramento muito bons, conseguiremos fazê-lo em cinco anos. Vamos contratar quatro investigadores pós-doutorais, mais dois alunos de doutoramento, porque também é muito importante treinar pessoas, uma pessoa para fazer a gestão de projecto e a sua divulgação, e uma pessoa para a parte informática, porque vamos fazer uma grande base de dados. A informação toda vai ser disponibilizada internacionalmente, porque o seu interesse é de âmbito internacional. Tenho colegas fora de Portugal que estão interessadíssimos nestes dados, como os que trabalham sobre o magnetismo. Na história natural também, porque teremos informação das espécies que existiam em cada sítio naquela época. Só começa a haver mais informação sobre isso a partir do final do século XVII, princípio do século XVIII, sobretudo a partir de documentação inglesa e holandesa. Uma vez mais, é a documentação portuguesa e espanhola que está por estudar, do ponto de vista da história da ciência. Ao fazê-lo, vamos conseguir recuar na compreensão deste fenómeno, que é o que toda gente suspeita, que muitas noções vêm de muito antes. E o factor que muda tudo é a navegação de longa distância feita por portugueses.

O que é que esse conhecimento trouxe na altura a Portugal e à Europa?

A primeira coisa é que estes roteiros portugueses foram copiados diretamente para outras línguas. Sabemos de pessoas que o fizeram, e parte deste fenómeno de transmissão está bem identificado. Mas depois há uma transmissão silenciosa, de grande dimensão, que não está ainda bem identificada, e isso só se clarifica fazendo uma comparação com os roteiros desses países. Esse trabalho nunca foi feito, e nós vamos fazê-lo.

Qual é hoje a resposta à pergunta de como surgiram os conceitos globais sobre a Terra, ainda sem essa informação da qual vai à procura nos roteiros?

Há várias teorias. Há quem diga que isso teve a ver com a Guerra Fria, por ter havido levantamentos fotográficos de toda a Terra de uma precisão nunca antes vista, devido às questões da defesa, Estamos a falar de um fenómeno de meados do século XX. Há outros que argumentam que foi o ponto de vista externo, e que isso só aconteceu nos anos de 1960, quando se chegou a Lua, com observadores humanos fora da Terra. Discordo completamente destas interpretações. Penso que há um percurso histórico imenso, e que toda a documentação o confirma. Não é que estes factos mais recentes não sejam importantes, mas houve uma anterioridade histórica que precisa de ser analisada. Do ponto de vista científico, esta ideia da Terra global é muito sofisticada, e penso que é mais antiga. E curiosamente, o que para mim tem um especial interesse, não teve só a ver com grandes cientistas, mas também com gente simples, que estava ela própria a viajar. Como historiador da ciência não consigo ficar convencido de que noções sobre a globalidade da Terra não estivessem associadas à deslocação física de pessoas. Na Antiguidade e na Idade Média não existiam essas noções, e também não havia essas deslocações. Elas só começam a surgir quando há deslocações regulares e sistemáticas, como as dos portugueses que vão à Índia, ou ao Japão, e trazem informações, e começam a fazer comparações. Isto obriga a repensar muitas das coisas que dizemos sobre a modernidade científica da Europa

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.