Moléculas orgânicas complexas na lua de Saturno

Após ter sido descoberto que sob a camada de gelo de Encélado, uma das luas de Saturno, existe água em estado líquido, um novo estudo confirma agora a existência de moléculas orgânicas complexas, algo necessário para que haja vida

"É a primeira vez que foi detetado organismos complexos de um mundo aquático extraterrestre". A afirmação é de Frank Postberg ao site Space.com. O cientista da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, é o responsável pelo estudo que indica esta nova descoberta sobre Encélado, uma das luas de Saturno, que foi publicado na revista "Nature".

Este é mais um passo na investigação cientifica que sugere a possível existência de vida na sexta maior lua de Saturno.

A deteção da existência de moléculas orgânicas complexas acontece após a análise feita à informação que a sonda Cassini recolheu quando atravessou uma pluma da lua e o anel E de Saturno, feito de grãos de gelo, expelidos pela Encélado. Em 2015, os dados demonstraram que sob a camada de gelo de Encélado existe água em estado líquido.

Na altura, os cientistas detetaram simples organismos, compostos por carbono, mas agora este novo estudo indica que há moléculas orgânicas complexas provenientes desta lua.

Os cientistas alertam, no entanto, que estas novas descobertas não constituem provas sólidas de existência de vida, uma vez que "as reações biológicas não são as únicas potenciais fontes de moléculas orgânicas complexas", escreve o Space.com. O próximo passo é voltar a Encélado, "e ver se existe vida extraterrestre", afirmou Postberg. "Em nenhum outro lugar um habitat oceânico extraterrestre potencialmente habitável pode ser facilmente investigado por uma missão espacial como no caso de Enceladus", adiantou o cientista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.