Esta moeda rara do ano 69 foi encontrada nas canalizações de Jerusalém

Uma moeda rara de bronze cunhada no ano 69, correspondente ao quarto ano da chamada Grande Revolta Judaica, foi encontrada no sistema de canalizações da zona velha da cidade de Jerusalém

Citado por jornais israelitas como o Haaretz e o Times of Israel, o arqueólogo israelita Eli Shukron, que chefia as escavações na Cidade de David, disse que a moeda ou caiu no sistema de canalizações por casualidade ou durante uma fuga dos rebeldes judeus através do mesmo sistema de canalizações da zona velha da cidade de Jerusalém.

A moeda de bronze data do ano 69, correspondente ao quarto ano da chamada Grande Revolta Judaica, tendo nela a inscrição "pela liberdade de Zion", escrita em hebraico antigo, segundo investigadores da Cidade de David, citados pelas mesmas fontes.

"A moeda foi encontrada exatamente no mesmo local em que os judeus se escondiam no sistema de canalizações por baixo da rua", declarou ao Haaretz Reut Vilf, da fundação Cidade de David, dando conta de que as tentativas dos rebeldes em esconder-se incluem lamparinas a óleo intactas para a luz ou até mesmo recipientes de barro para cozinhar.

A chamada Grande Revolta Judaica, iniciada no ano 66, na Judeia, foi sufocada pelas tropas romanas de Vespasiano e o seu filho. Morreram nessa altura mais de um milhão de judeus e o Templo de Jerusalém foi destruído, restando, apenas, o Muro das Lamentações. Lugar de culto do judaísmo, por excelência, o muro é igualmente uma das maiores atrações turísticas de Jerusalém.

(notícia corrigida a 3 de julho)

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.