Burberry deixa de usar peles de animais e de queimar artigos

"Já reutilizamos, doamos ou reciclamos os produtos que não conseguimos vender. A nossa intenção é aumentar essas ações", diz a marca que, em 2017, destruiu artigos num valor total de 32 milhões de euros

A marca de roupa britânica Burberry confirmou esta quinta-feira que vai deixar de usar peles de animais e que abandona a prática de queimar os artigos e complementos que não são vendidos.

De acordo com a empresa têxtil, a próxima coleção que vai ser apresentada em meados do mês não incluiu artigos com peles de animais e que aqueles que já existem "vão ser retirados do mercado, de forma gradual".

A Burberry anunciou também que vai deixar de destruir pelo fogo os produtos que não são vendidos no final de cada estação.

"Já reutilizamos, doamos ou reciclamos os produtos que não conseguimos vender. A nossa intenção é aumentar essas ações", refere.

No final de julho, um relatório anual da Burberry indicava que a marca de luxo tinha destruído todas as criações que tinham sobrado do ano de 2017, avaliadas em 28,6 milhões de libras (32 milhões de euros).

Na altura, a empresa disse que a destruição dos artigos era levada a cabo para impedir que o estilo dos cortes fossem roubados ou vendidos a preços inferiores.

As mudanças anunciadas coincidem com a entrada do novo diretor criativo, Riccardo Tisci, que vai apresentar a nova coleção no dia 17 de setembro no London Fashion Show.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.