Manuais escolares para 500 mil alunos disponíveis a partir na plataforma MEGA

A distribuição de livros, novos ou usados, começa esta quarta-feira e destina-se aos estudantes do 1.º ao 6.º ano

Os manuais escolares gratuitos, novos ou usados, começam a ser distribuídos a partir desta quarta-feira através da plataforma MEGA aos cerca de 500 mil alunos do 1.º ao 6.º ano.

Na plataforma estarão manuais escolares utilizados no ano letivo que agora terminou, mas também livros novos, que podem ser utilizados por famílias, escolas e livreiros.

A plataforma "MEGA - Manuais Escolares GrAtuitos" está preparada para atribuir um voucher a cada um dos cerca de 500 mil alunos que frequentam escolas públicas e por isso têm direito a livros gratuitos.

As escolas vão introduzir na plataforma informações relativas aos manuais que, no final do ano letivo, foram devolvidos pelos alunos depois de usados.

Em declarações recentes à Lusa, Miguel Farrajota, do Instituto de Gestão Financeira de Educação (IGeFE), disse que a "percentagem de reutilização" de manuais escolares é "muito aceitável", e disse que a distribuição pela plataforma dos manuais usados será feita de forma aleatória

Através do site manuaisescolares.pt, os encarregados de educação acedem à plataforma que lhes atribuirá um 'voucher' para adquirir os manuais nas livrarias que pretendam -- desde que estas também estejam inscritas na plataforma.

A plataforma deverá estar ativa até ao final de outubro, para garantir que não ficam de fora alunos que mudam de escola após o arranque do ano letivo.

Ler mais

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."