Malária. Engenheiro de 24 anos ganha prémio com teste não invasivo

O dispositivo inovador testa a malária sem ser necessário tirar sangue, através de um feixe de luz vermelha sobre o dedo

Um engenheiro informático de 24 anos do Uganda, Brian Gitta, ganhou o Prémio África com um dispositivo inovador que testa a malária sem tirar sangue, o 'Matibabu', palavra suaíli para "tratamento".

"É um exemplo perfeito de como a engenharia pode desbloquear o desenvolvimento - neste caso, melhorando os cuidados com a saúde", afirmou em comunicado a júri do Prémio África de Inovação em Engenharia, Rebecca Enonchong.

O novo kit de teste da malária funciona com um feixe de luz vermelha sobre um dedo para detetar mudanças na forma, cor e concentração das células vermelhas do sangue, afetadas pela malária, sendo os resultados enviados em um minuto para um computador ou telemóvel vinculado ao dispositivo.

Gitta tornou-se no mais jovem vencedor daquele prémio, no valor de 33 mil dólares (28 300 euros), foi selecionado esta semana em Nairóbi, no Quénia, dando um importante passo no combate a esta doença mortífera em África.

"Vamos desenvolver [o kit] para os hospitais em primeiro lugar, para que as pessoas possam se familiarizar primeiro à marca e conquistar a confiança dos pacientes ao longo do tempo", disse Brian Gitta, citado pela agência de noticias Associated Press.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.