Maioria dos centros de saúde sem consulta para quem equaciona IVG

Em 33 dos 55 centros de saúde do País não está disponível a consulta prévia obrigatória para as mulheres que pretendem interromper a gravidez

Cerca de 60% (33 em 55) dos centros de saúde do país não fazem a consulta prévia, prevista por lei, às mulheres que estão a ponderar fazer uma interrupção voluntária da gravidez (IVG). A notícia é avançada pelo JN e baseia-se nas respostas de agrupamentos de centros de saúde (ACES), centros hospitalares e unidades locais de saúde a um conjunto de questões sobre este tema colocadas pelo Bloco de Esquerda.

Até ao momento, segundo o jornal, tinham respondido 53 dos 55 ACES e 34 dos 37 hospitais.

De acordo com estes dados, é sobretudo para os hospitais que os centros de saúde sem capacidade de resposta encaminham as mulheres que procuram a consulta de aconselhamento. No entanto, diz o JN, o aconselhamento "nem sempre [é feito] da forma mais direta, o que pode implicar várias deslocações e aumentar o risco de ultrapassar o prazo legal das dez semanas" de gestão antes de abortar. Além disso, acrescenta, "há pelo menos dez hospitais públicos que não fazem IVG".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.