Má alimentação está a matar mais pessoas no mundo do que o tabaco

Comer e beber melhor poderia prevenir uma em cada cinco mortes em todo o mundo, diz estudo. Especialistas alertam que não basta eliminar alimentos ricos em açúcar e gordura do dia-a-dia, é preciso incluir mais fruta e vegetais na dieta.

Há 10,9 milhões de mortes evitáveis em todo o mundo, por ano, devido a dietas não saudáveis. Um número muito acima das mortes registadas por tabaco - segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de sete milhões a cada ano. A conclusão é de um estudo realizado pelo Instituto de Medições e Avaliações de Saúde, em Seattle, Estados Unidos da América, publicado na revista científica Lancet. Segundo a equipa de investigadores envolvidos neste trabalho, escolhas diárias mais saudáveis poderiam mesmo prevenir uma em cada cinco mortes em todo o mundo.

Entre as mortes registadas devido à má alimentação, cerca de metade (45%) são pessoas com menos de 70 anos. A maioria destas resultou de ataques cardíacos, bem como cancros e diabetes tipo 2.

Metade das mortes e dois terços dos casos de incapacidade registados derivam da baixa ingestão de frutas e vegetais, bem como da alta ingestão de sal

"O nosso estudo mostra que a dieta abaixo do ideal é responsável por mais mortes do que qualquer outro risco global, incluindo o tabagismo, destacando a necessidade urgente de melhorar a dieta humana nos vários países", pode ler-se na investigação. Os especialistas alertam que não basta reduzir a quantidade de açúcar, sal e gordura ingerida, mas principalmente aumentar a inclusão de alimentos saudáveis nas refeições diárias.

De acordo com a investigação, metade das mortes e dois terços dos casos de incapacidade registados derivam da baixa ingestão de frutas e vegetais, bem como da alta ingestão de sal.Em entrevista ao The Guardian, o principal autor do estudo, Ashkan Afshin, alerta que "quando as pessoas aumentam o consumo de alguma coisa, tendem a diminuir o consumo de outras".

Israel foi o país que registou menor taxa de mortes relacionadas com a dieta

Apesar de alguns países terem altos níveis de fruta e verduras incluídos na sua dieta, predominantemente mediterrânea, "nenhum país tem um nível ótimo de consumo de todos os alimentos saudáveis", diz o especialista. "Mesmo em países que têm uma dieta mediterrânea, o consumo atual de muitos outros fatores dietéticos não é o ideal", explica.

Ashkan Afshin dá o exemplo de Israel, o país que registou a menor taxa de mortes relacionadas com a dieta (89 por 100 mil), seguido por França, Espanha e Japão. Já o Uzbequistão registou 892 mortes por 100 mil, ficando em último lugar na tabela.

Mas há críticas à investigação. Tom Sanders, professor de nutrição no King's College, em Londres, alertou para o facto de este estudo dar relevo à individualidade dos alimentos em vez da dieta no geral. A obesidade, por exemplo, "é causada pela ingestão de mais energia alimentar do que o necessário, em vez de componentes dietéticos específicos, como o açúcar".

"A tendência das populações para se tornarem cada vez mais sedentárias é a principal razão pela qual há um desequilíbrio entre o consumo e o gasto de energia, mas o aumento da disponibilidade de alimentos com alta densidade energética torna muito fácil comer em demasia", explica.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.