Infarmed alerta que produto Japan Tengsu para tratar disfunção erétil é "medicamento ilegal"

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) alertou esta quarta-feira que o produto Japan Tengsu é um "medicamento ilegal" por conter substâncias destinadas ao tratamento da disfunção erétil que apenas podem ser utilizadas em fármacos.

"O produto Japan Tengsu, comprimido" é "um medicamento ilegal, por não dispor de autorização de introdução no mercado em Portugal e conter substâncias ativas que apenas podem ser utilizadas em medicamentos", afirma o Infarmed num comunicado publicado no seu site.

Segundo a autoridade do medicamento, este produto foi detetado na alfândega, no âmbito do protocolo de colaboração entre o Infarmed e a Autoridade Tributária e Aduaneira, destinado ao combate à falsificação de medicamentos.

"O produto tem, provavelmente, origem em vendas através da Internet, não tendo sido detetado no circuito legal de venda de medicamentos (por exemplo, farmácias)", sublinha no comunicado.

Depois de ter analisado o produto laboratorialmente, o Infarmed verificou que este produto contém a substância ativa sildenafil, que se destina à melhoria do desempenho sexual.

"Atendendo a que não está garantida a qualidade, segurança e eficácia deste produto, a sua utilização é proibida em Portugal", sublinha.

O Infarmed avisa as entidades que dispõem deste produto de que não o podem vender, dispensar ou administrar, devendo comunicar de imediato com a autoridade do medicamente.

Também os utentes que disponham deste produto não o devem utilizar, devendo entregar as embalagens em causa na farmácia para posterior destruição, através da Valormed.

Exclusivos

Premium

Entrevista a Victor Ângelo

"Há uma competição muito grande entre os EUA e a China e vai agravar-se"

Victor Ângelo foi o mais alto funcionário português nas Nações Unidas, chegando ao nível de secretário-geral adjunto. Representou a organização em vários países de África e preocupa-o o futuro de um continente em que os jovens querem emigrar. Analisa o risco da crescente competição entre as grandes potências.

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?