Grávidas com profissões de risco vão ter baixas pagas a 100%

Mulheres expostas a riscos específicos, prejudiciais para a sua saúde e segurança, veem o subsídio por risco específico equiparado à licença por risco clínico. Esperada unanimidade na votação da próxima sexta-feira.

Mulheres grávidas ou lactantes que tenham profissões de risco vão ter a baixa médica paga a 100% do salário, confirmou ao DN a deputada comunista Rita Rato, adiantando que na próxima sexta-feira esta proposta será votada em plenário da Assembleia da República.

Não se antecipam surpresas que travem esta proposta, depois de uma votação por unanimidade na comissão parlamentar, explicou Rita Rato.

A proposta é simples: mulheres expostas a riscos específicos, prejudiciais para a sua saúde e segurança, veem o subsídio por risco específico equiparado à licença por risco clínico. Assim, técnicas de raio-x, guardas noturnas ou trabalhadoras de indústrias como a farmacêutica ou química vão usufruir a baixa médica na sua totalidade, e não a 65% como até aqui.

Esta é uma velha aspiração do PCP, sublinhou Rita Rato. Segundo a deputada, "desde 2009" que a bancada comunista apresentava esta proposta.

No entanto, outras propostas ficaram pelo caminho, explicou Rita Rato, como a do pagamento a 100% da licença no primeiro meio ano, durante o período de amamentação.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.