Governo corta 462 mil euros na Lusa. Trabalhadores temem despedimentos

Redução orçamental na rubrica que "paga muita da atividade diária jornalística da agência, incluindo salários de correspondentes e avençados, nacionais e internacionais", dizem os órgãos que representam os trabalhadores.

Os órgãos representativos dos trabalhadores da Lusa consideram "inaceitável" a decisão desta sexta-feira do Governo, de cortar o orçamento da Lusa para 2019, alertando que "levará a uma brutal perda da qualidade do serviço" e a despedimentos de jornalistas.

"Os órgãos representativos dos trabalhadores (ORT) da Lusa consideram inaceitável a decisão de hoje do Governo de cortar o orçamento da Lusa para 2019, que levará a uma brutal perda da qualidade do serviço da agência e a despedimentos de trabalhadores jornalistas", indicam num comunicado conjunto.

Em causa está o corte de 462 mil euros na rubrica dos Fornecimentos e Serviços Externos (FSE).

Os órgãos que representam os trabalhadores da Lusa explicam que esta rubrica "paga muita da atividade diária jornalística da agência, incluindo salários de correspondentes e avençados, nacionais e internacionais, que agora poderão ver-se no desemprego".

E recordam que "vinham desde há semanas denunciando a vontade do Governo em fazer um corte e alertando para o impacto".

No comunicado, os ORT afirmam também ser "inaceitável os constrangimentos financeiros que o Governo impõe à Lusa desde há anos, com cortes sucessivos e o não cumprimento integral do contrato-programa, desde logo por não transferir anualmente a compensação prevista pelo valor de inflação".

Recordando que promoveram ações de alerta públicas, nomeadamente junto dos grupos parlamentares, "que manifestaram concordância com as preocupações dos trabalhadores da Lusa", os ORT exortam agora a administração a tomar medidas e "a não aceitar o corte" e adiantam que vão pedir reuniões ao primeiro-ministro e ao Presidente da República, "não excluindo outras ações de luta decididas pelos trabalhadores".

Os acionistas da Lusa, reunidos em assembleia-geral, aprovaram hoje o Plano de Atividades e Orçamento da Lusa para 2019, depois de a sua votação ter sido adiada sucessivamente desde março.

O presidente do Conselho de Administração da Lusa, Nicolau Santos, afirmou que os limites impostos pelo Estado nos FSE tornam-no impossível de ser cumprido, a não ser com uma "redução brutal" de correspondentes.

"Há aqui um corte de 462 mil euros", o que levaria a agência a ter de reduzir até final do ano -- nos cinco meses que ainda faltam -- quase 100 mil euros em Fornecimentos e Serviços Externos por mês, o que para o gestor "não é possível de cumprir".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.