Google. Funcionários insurgem-se contra motor de busca censurado na China

Trabalhadores receiam estar a contribuir para a construção de um motor de busca com filtros, sem saberem

1400 funcionários da Google assinaram uma carta contra a possibilidade da gigante da Internet disponibilizar uma versão do seu motor de busca na China, censurando palavras e expressões. Os trabalhadores pedem mais transparência à empresa e alegam que o projeto levanta "questões morais e éticas".

"Nós precisamos urgentemente de mais transparência, de um lugar à mesa das negociações, e de uma comissão para esclarecer e abrir processos: os trabalhadores da Google precisam de saber o que estão a construir", refere a carta escrita pelos funcionários,​​​​ citada pelo jornal norte-americano New Yourk Times (NYT).

Os trabalhadores queixam-se de falta de informação sobre a forma como a empresa está a usar o seu trabalho: "Atualmente, nós não temos informação necessária para tomar decisões informadas e éticas sobre o nosso trabalho, os nossos projetos e os nossos empregos".

Funcionários da Google contaram ao NYT que souberam do projeto Dragonfly através da imprensa. No início de agosto, o site de notícias The Intercept divulgou uma investigação que revelava que a empresa estaria a desenvolver uma versão do seu motor de busca com filtros para ser utilizada na China a partir de 2019. O projeto bloquearia termos relacionados com direitos humanos, democracia e religião.

A Google saiu da China em 2010 quando políticos norte-americanos começaram a acusar a empresa de se aliar à censura do regime chinês. Os mais de 770 utilizadores de Internet do país asiáticos estão também impedidos de aceder a redes sociais como o Facebook, o Twitter ou o Instagram.

Em abril, os funcionários da gigante tinham assinando uma petição contra o projeto Maven, que pretendia usar a inteligência artificial para melhorar o armamento do exército dos Estados Unidos. A Google acabou por não renovar o contrato que tinha com o Pentágono.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.