Google, Facebook, Microsoft e Twitter ligam-se para facilitar a partilha de dados pessoais

Gigantes da tecnologia lançaram neste sábado o Data Transfer Project, que permite a transferência de dados entre serviços sem necessidade de fazer downloads ou uploads.

Chama-se Data Transfer Project e, segundo os seus mentores - onde se incluem os grandes gigantes da Internet - vai permitir aos seus utilizadores a transferência de dados entre diferentes serviços sem necessidade de fazer downloads e uploads. Google, Facebook, Microsoft e Twitter são os fundadores de um sistema que, esperam, venha a ser alargado a muitas outras plataformas.

Para já, segundo avança o site especializado em tecnologia The Verge, o novo sistema suporta transferência de fotografias, endereços de e-mail, contactos, calendários e tarefas. Para o conseguir, recorre a interfaces de programação de aplicações (API), acessíveis ao público, da Google, Microsoft, Twitter, Flickr, Instagram, Remember the Milk e SmugMug. Transferências que, lembra o The Verge, já podem hoje em muitos casos ser feitas através de outros meios. No entanto, acrescenta, "os participantes esperam que o projeto evolua até se tornar uma alternativa mais robusta e flexível aos API convencionais".

O código já desenvolvido para este projeto está disponível em open source (sem custos e aberto, ou seja, reprogramável) através do GitHub - recentemente adquirido pela Microsoft por 6,4 mil milhões de euros - no qual foi também publicado um guia explicativo, no qual é defendido que "o futuro da portabilidade terá de ser mais inclusivo, flexível e aberto".

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".