Google, Facebook, Microsoft e Twitter ligam-se para facilitar a partilha de dados pessoais

Gigantes da tecnologia lançaram neste sábado o Data Transfer Project, que permite a transferência de dados entre serviços sem necessidade de fazer downloads ou uploads.

Chama-se Data Transfer Project e, segundo os seus mentores - onde se incluem os grandes gigantes da Internet - vai permitir aos seus utilizadores a transferência de dados entre diferentes serviços sem necessidade de fazer downloads e uploads. Google, Facebook, Microsoft e Twitter são os fundadores de um sistema que, esperam, venha a ser alargado a muitas outras plataformas.

Para já, segundo avança o site especializado em tecnologia The Verge, o novo sistema suporta transferência de fotografias, endereços de e-mail, contactos, calendários e tarefas. Para o conseguir, recorre a interfaces de programação de aplicações (API), acessíveis ao público, da Google, Microsoft, Twitter, Flickr, Instagram, Remember the Milk e SmugMug. Transferências que, lembra o The Verge, já podem hoje em muitos casos ser feitas através de outros meios. No entanto, acrescenta, "os participantes esperam que o projeto evolua até se tornar uma alternativa mais robusta e flexível aos API convencionais".

O código já desenvolvido para este projeto está disponível em open source (sem custos e aberto, ou seja, reprogramável) através do GitHub - recentemente adquirido pela Microsoft por 6,4 mil milhões de euros - no qual foi também publicado um guia explicativo, no qual é defendido que "o futuro da portabilidade terá de ser mais inclusivo, flexível e aberto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.