Google, Facebook, Microsoft e Twitter ligam-se para facilitar a partilha de dados pessoais

Gigantes da tecnologia lançaram neste sábado o Data Transfer Project, que permite a transferência de dados entre serviços sem necessidade de fazer downloads ou uploads.

Chama-se Data Transfer Project e, segundo os seus mentores - onde se incluem os grandes gigantes da Internet - vai permitir aos seus utilizadores a transferência de dados entre diferentes serviços sem necessidade de fazer downloads e uploads. Google, Facebook, Microsoft e Twitter são os fundadores de um sistema que, esperam, venha a ser alargado a muitas outras plataformas.

Para já, segundo avança o site especializado em tecnologia The Verge, o novo sistema suporta transferência de fotografias, endereços de e-mail, contactos, calendários e tarefas. Para o conseguir, recorre a interfaces de programação de aplicações (API), acessíveis ao público, da Google, Microsoft, Twitter, Flickr, Instagram, Remember the Milk e SmugMug. Transferências que, lembra o The Verge, já podem hoje em muitos casos ser feitas através de outros meios. No entanto, acrescenta, "os participantes esperam que o projeto evolua até se tornar uma alternativa mais robusta e flexível aos API convencionais".

O código já desenvolvido para este projeto está disponível em open source (sem custos e aberto, ou seja, reprogramável) através do GitHub - recentemente adquirido pela Microsoft por 6,4 mil milhões de euros - no qual foi também publicado um guia explicativo, no qual é defendido que "o futuro da portabilidade terá de ser mais inclusivo, flexível e aberto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.