Fraude nos consumos dos carros? PAN quer conhecer diligências do Governo

Fabricantes automóveis negam a acusação, que imputa à indústria a manipulação dos dados de consumo dos carros e emissão de dados poluentes

O PAN quer saber "que diligências" vai tomar o Governo, depois de conhecido um estudo que acusa a indústria automóvel de ter enganado os consumidores. Os fabricantes negam a acusação, que imputa à indústria a manipulação dos dados de consumo dos carros.

Em comunicado, o deputado único do partido ecologista, André Silva, defende que "a manipulação da indústria automóvel terá que ser respondida com firmeza, determinação e urgência". Para André Silva, o estudo revelado na quarta-feira é uma "intolerável fraude económica e ambiental" que "coloca em causa os direitos fundamentais dos consumidores e o cumprimento das metas para a descarbonização no país".

O deputado do PAN quer ainda saber "que medidas tomará o Governo face às metas preconizadas e ao objetivo do país atingir em 2050 a neutralidade carbónica", quando "as emissões do setor automóvel em Portugal são responsáveis por praticamente um quarto do total das emissões de gases com efeito de estufa", e "quais as implicações nos valores do IUC (Imposto Único de Circulação) para 2019, tendo em conta os dados reais e os novos testes que indicam um adicional na emissão de gases com efeito de estufa".

Segundo um estudo da Federação Europeia de Transportes e Ambiente (T&E, na sigla original), como recorda o PAN, conclui que "o combustível adicional queimado por comparação com o anunciado, numa manipulação que abrangeu toda a indústria automóvel, custou aos condutores um extra de 149,6 mil milhões de euros nos últimos anos (2000-2017)".

Para o PAN, "no nosso país, o que foi pago a mais pelos condutores portugueses desde o ano 2000 atinge 1,6 mil milhões de euros, o que constitui uma violação dos direitos dos consumidores, uma burla económica e uma fraude ambiental, a que o governo deve dar resposta".

Indústria nega fraude

Os fabricantes automóveis defendem-se das acusações e rejeitam as acusações da T&E. Ouvidas pelo Jornal de Negócios, as empresas repudiam a expressão "manipulação", sublinhando que os testes usados no passado, e se encontravam obsoletos - New Euopean Drive Code (NEDC) - foram subsituídos por uns mais fiáveis.

O Worlwide Harmonised Light Vehicle Test Procedure (WLTP) apresenta resultados mais próximos da realidade, notam ao Negócios, na leitura do nível das emissões poluentes e dos consumos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.