Regulador condena cobrança de taxas moderadoras em pequenas cirurgias

Taxa de sete euros, cobrada ilegalmente em intervenções agendadas pelos próprios hospitais, estará relacionada com falha na codificação informática destes atos médicos

As cobranças ilegais de taxas moderadoras em pequenas cirurgias, quando este pagamento apenas é exigível nas consultas, são "comuns nos estabelecimentos hospitalares do Serviço Nacional de Saúde". A conclusão consta de uma recomendação sobre esta matéria da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), divulgada pela TSF.

De acordo com o relatório, datado de abril mas só agora divulgado, está em causa a cobrança indevida de uma taxa de sete euros por estes atos médicos. A situação ficará a dever-se a "uma falha na codificação informática" destas intervenções que leva a que o sistema encare cirurgias como se se tratasse de consultas.

Segundo a TSF, a investigação da ACSS foi desencadeada pela denúncia de uma utente do Centro Hospitalar do Porto, que se queixou depois de ter recebido uma carta cobrando-lhe os sete euros após ter sido alvo de uma pequena cirurgia em ambulatório. A partir desta caso, a autoridade descobriu que a situação era bastanmte comum.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.