Empresa de cruzeiros declara-se culpada de crimes ambientais nas Bahamas e no Alasca

Crimes incluem despejo de plásticos e águas residuais no mar, falsificação de documentos e tentativa de influenciar Guarda Costeira dos EUA.

A empresa de cruzeiros Carnival declarou-se segunda-feira culpada, perante um tribunal dos EUA, de seis crimes ambientais e deve pagar uma multa de 20 milhões de dólares (17,7 milhões de euros).

Em causa estão violações a um acordo com o Departamento de Justiça dos EUA sobre casos que ocorreram em águas das Bahamas e do Alasca.

O presidente executivo da multinacional de cruzeiros, Arnold Donald, declarou-se "culpado em nome da empresa" das seis violações perante um tribunal em Miami, Florida.

Entre as seis violações em águas das Bahamas e do Alasca figuram o despejo de plásticos e águas residuais no mar, falsificação de documentos e tentativa de influenciar a Guarda Costeira dos EUA a mudar certos parâmetros ambientais.

Exclusivos