Disparam os pedidos de apoio para a compra de carros elétricos

Do início do ano até hoje, Fundo Ambiental do governo recebeu 1244 candidaturas para compra de veículos elétricos. É mais 50% do que no ano passado.

A compra de veículos elétricos em Portugal soma e segue - e os pedidos de apoio à comparticipação do Fundo Ambiental também. No primeiro ano em que o governo alargou as candidaturas às motorizadas e às bicicletas elétricas, elas aumentaram 50 por cento em relação ao mesmo período de 2017.

Para os automóveis houve 1222 requerimentos - e 66 candidaturas foram excluídas por não cumprirem os requisitos do ministério do Ambiente. Nos motociclos e ciclomotores houve 22 pedidos, 20 dos quais aprovados.

Quem apostou na compra de um carro elétrico recebe 2250 euros de apoio, enquanto que no caso das duas rodas a comparticipação vai até 20 por cento do total da compra, num limite máximo de 400 euros.

Criado em 2016, o Fundo Ambiental disponibiliza verbas para reduzir os efeitos das alterações climáticas em Portugal. Um dos principais vetores é este programa de reconversão de frota automóvel dos combustíveis fósseis para os elétricos. As candidaturas continuam abertas para pessoas singulares (o governo dá apoio à aquisição de uma unidade) ou coletivas (num máximo de cinco unidades).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.