Descoberto lago de água em estado líquido em Marte

O lago de água salgada tem 20 quilómetros de diâmetro, está localizado a 1,5 quilómetros da superfície e foi encontrado no polo sul de Marte por baixo de uma camada de gelo

Já se suspeitava há muito, mas nunca tinha sido "observado". Mas agora os dados recolhidos pelo radar Marsis (Mars Advanced Radar for Subsurface and Ionosphere Sounding) provam a existência de água em estado líquido no polo sul de Marte, por baixo de uma camada de gelo. A revelação, a primeira descoberta de água no planeta vermelho, foi publicada esta quarta-feira na revista Science.

O lago de água salgada tem 20 quilómetros de diâmetro e está a 1,5 quilómetros da superfície. "Esta descoberta traz novas possibilidades para a busca de micro-organismos no ambiente marciano", disse Elena Pettinelli, investigadora da Universidade de Roma, citada pelo jornal La Vangardia.

As evidências surgem após a análise aos registos recolhidos pelo Marsis, a bordo da sonda Mars Express,da Agência Espacial Europeia (ESA), entre maio de 2012 e dezembro de 2015.

A massa de água, muito fria e salgada, foi localizada por baixo da região Planum Australe, e assemelha-se às reservas subglaciais da Antártida e da Gronelândia, explicam os cientistas.

A equipa de astrónomos italianos, do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, mapeou a zona no polo sul do planeta vermelho durante os três anos e obteve 29 registos de radar, que revelaram, pela primeira vez, "um corpo estável de água líquida em Marte". Mas, afirma Robert Orosei, da equipa de cientistas, este não é "um ambiente agradável para a vida".

Os investigadores não descartam a possibilidade de ser encontrado um "depósito biológico", uma vez que algumas bactérias podem sobreviver a baixas temperaturas e graças a substâncias salinas.

A procura de vestígios de água líquida em Marte tem sido uma meta incessante da comunidade científica, pois a água neste estado é uma condição essencial para a existência de vida tal como se conhece.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.