Descoberto avião de "esquadrão perdido" da II Guerra num glaciar

O P-38 Lightning estava coberto por cerca de 90 metros de gelo na Gronelândia. Investigadores querem tirar o avião do local e colocá-lo a voar

Decorria o mês de julho de 1942, em plena II Guerra Mundial, quando oito aviões norte-americanos que deslocavam entre bases secretas de Terra Nova, Gronelândia e Islândia, no Atlântico norte, enfrentaram uma grande tempestade e acabaram por se despenhar num glaciar a sudeste da Gronelândia.

Mais de 70 anos depois, investigadores encontraram um dos aviões, um P-38 Lightning (eram seis, juntamente com dois bombardeiros B-17), em julho, debaixo de cerca de 90 metros de gelo, refere a Live Science - a história foi avançada no início de agosto pela Popular Mechanics, depois de ter sido anunciada pela organização Arctic Hot Point Solutions.

A descoberta foi feita com a ajuda de um drone e de outros meios tecnológicos, usando um radar que penetrou no gelo. As primeiras pistas de que o avião estaria ali surgiram em 2011.

A equipa de investigação ao "esquadrão perdido", liderada pelo empresário californiano Jim Salazar, planeia escavar e derreter o gelo para retirar o avião de guerra do glaciar no próximo verão. Os investigadores esperam também que as técnicas utilizadas ajudem a encontrar mais destroços de aviões da II Guerra Mundial.

As últimas descobertas desta natureza são de 1992 quando outro avião P-38 do "esquadrão perdido" foi descoberto na Gronelândia. O P-38, batizado de "Rapariga do Glaciar", foi restaurado até ter condições para voar novamente.

O avião descoberto agora era pilotado pelo tenente Robert Wilson, que foi resgatado do local, na altura, juntamente com outros pilotos. No entanto, na altura da II Guerra Mundial, nem todos os pilotos norte-americanos tiveram a mesma sorte.

Os P-38 são aviões icónicos da II Guerra Mundial, mas apenas 10 estão em museus em todo o mundo, com muito poucos a continuarem a voar. Os investigadores esperam agora restaurar o mais recente P-38 até conseguir voar de novo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.