ONU alerta que impactos das alterações climáticas "nunca foram tão graves"

Estima-se que o ano de 2018 seja assinalado como "um dos quatro mais quentes alguma vez registados". ONU apela à urgência de uma tomada de atitude.

A secretária executiva das Nações Unidas para a Mudança do Clima alertou este domingo para os impactos das alterações climáticas, que "nunca foram tão graves" e devem levar a comunidade internacional a "fazer muito mais" para contrariar a situação. No primeiro dia da 24ª conferência da ONU para o clima (COP24), a decorrer na cidade polaca de Katowice, Patrícia Espinosa estimou que este ano seja "um dos quatro mais quentes alguma vez registados".

"As concentrações de gases do efeito estufa na atmosfera estão num nível elevado e as emissões continuam a subir", acrescentou a responsável. As alterações estão a atingir "comunidades em todo o planeta" e as "vitimas, destruição e sofrimento" estão a "tornar o trabalho mais urgente", disse.

O presidente da COP24, Michal Kurtyka, instou, por seu lado, a comunidade internacional a "imbuir de vida e conteúdo" o Acordo de Paris de 2015 para limitar a dois graus centígrados o aquecimento global.

Numa conferência de imprensa, no primeiro dia da cimeira que reúne cerca de 30 mil pessoas de 197 dias, Kurtyka argumentou sobre a importância da reunião na Polónia porque irá definir e articular o acordado em Paris.

"Não devemos esquecer as razões pelas quais aqui estamos. Estamos para articular a ação global contra a alteração climática. Nenhum governo sozinho pode resolver este problema. É altura de imbuir de vida e conteúdo ao Acordo de Paris", defendeu.

A COP24 decorre até ao próximo dia 14 de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.