ONU alerta que impactos das alterações climáticas "nunca foram tão graves"

Estima-se que o ano de 2018 seja assinalado como "um dos quatro mais quentes alguma vez registados". ONU apela à urgência de uma tomada de atitude.

A secretária executiva das Nações Unidas para a Mudança do Clima alertou este domingo para os impactos das alterações climáticas, que "nunca foram tão graves" e devem levar a comunidade internacional a "fazer muito mais" para contrariar a situação. No primeiro dia da 24ª conferência da ONU para o clima (COP24), a decorrer na cidade polaca de Katowice, Patrícia Espinosa estimou que este ano seja "um dos quatro mais quentes alguma vez registados".

"As concentrações de gases do efeito estufa na atmosfera estão num nível elevado e as emissões continuam a subir", acrescentou a responsável. As alterações estão a atingir "comunidades em todo o planeta" e as "vitimas, destruição e sofrimento" estão a "tornar o trabalho mais urgente", disse.

O presidente da COP24, Michal Kurtyka, instou, por seu lado, a comunidade internacional a "imbuir de vida e conteúdo" o Acordo de Paris de 2015 para limitar a dois graus centígrados o aquecimento global.

Numa conferência de imprensa, no primeiro dia da cimeira que reúne cerca de 30 mil pessoas de 197 dias, Kurtyka argumentou sobre a importância da reunião na Polónia porque irá definir e articular o acordado em Paris.

"Não devemos esquecer as razões pelas quais aqui estamos. Estamos para articular a ação global contra a alteração climática. Nenhum governo sozinho pode resolver este problema. É altura de imbuir de vida e conteúdo ao Acordo de Paris", defendeu.

A COP24 decorre até ao próximo dia 14 de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.