Como mergulhar em segurança

Os conselhos do ortopedista Luís Teixeira para evitar acidentes de mergulho.

Os acidentes de mergulho são a quarta causa de lesão medular. Os acidentes acontecem sobretudo em piscinas e em lugares com uma profundidade inferior a 1,50 metros. Porém, quando a profundidade é superior a 3 metros os danos podem ser maiores, uma vez que a velocidade do impacto é suficiente para causar lesões cervicais irreversíveis.

É por isso que o médico ortopedista Luís Teixeira, presidente da Spine Matters, associação portuguesa sem fins lucrativos, chama a atenção de todos os que nestes dias de calor procuram refrescar-se com banhos em piscinas, no mar, nos rios ou em barragens, para que tenham a maior atenção ao local e ao modo como mergulham.

"Na execução do mergulho a pessoa atinge cerca de 15 km/hora", explica o médico. "Contudo, quando esse mergulho é executado numa posição quase vertical, a velocidade descreve uma trajetória descendente muito veloz em direção ao fundo da piscina. Por outro lado, e em praias com muita ondulação, as pessoas tendem a mergulhar em zonas de rebentação em que ainda têm pé, sendo frequente a postura incorreta. No momento do impacto no solo, a posição da cabeça e coluna vertical vão determinar tudo, mas antes é a análise do espaço que se torna fundamental", alerta o especialista, lembrando ainda que entre 38% a 47% dos casos ocorrem após consumo de drogas ou de bebidas alcoólicas."

As lesões em mergulho ocorrem geralmente quando a cabeça bate no solo, já que após o impacto o pescoço recebe o peso do corpo, podendo resultar em trauma da medula espinhal. A pior consequência é a paralisação e a impossibilidade de mexer os membros. Conforme o grau da lesão da medula, o mergulhador pode ficar tetraplégico ou paralisado das pernas.

Estes são os conselhos de Luís Teixeira para mergulhar de forma segura:

1. Verifique o local (a sinalização e a cor da bandeira, a profundidade da água). Não corra nunca o risco de mergulhar numa zona que desconhece.

2.Confirme que não existem obstáculos à sua volta com que possa colidir, nomeadamente, rochas, pranchas, pessoas, etc.

3. Procure que a entrada na água seja feita numa posição mais oblíqua (menos vertical) de forma a atingir menor profundidade e a "amortecer" a velocidade do impacto.

4. Estique os braços e mantenha as mãos à frente, para que a cabeça esteja protegida durante o mergulho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...