Estudo: vírus no cérebro influenciam doença de Alzheimer

A maioria das pessoas está exposta aos herpesvírus humanos 6A e 7 no início da vida

Um grupo de cientistas sugere, num estudo divulgado esta quinta-feira, a ligação entre a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência, e a presença de vírus no cérebro.

O trabalho, divulgado na publicação da especialidade Neuron, identificou níveis elevados de dois tipos de herpesvírus humanos - 6A e 7 - em amostras de cérebro de pessoas que revelavam sinais da doença de Alzheimer. Os níveis revelaram-se mais baixos em cérebros saudáveis.

A abundância destes vírus-chave em cérebros afetados pela doença de Alzheimer pode levar à degradação e morte das células cerebrais (neurónios), referem, em comunicado, a universidade norte-americana do Arizona, que coordenou o estudo.

"Não podemos dizer se os herpesvírus são a principal causa da doença de Alzheimer, mas o que é claro é que perturbam e participam nas redes diretamente subjacentes na patofisiologia da Alzheimer", afirmou, citado em comunicado da universidade, um dos autores do estudo, Joel Dudley, professor de genética e ciências genómicas.

Os herpesvírus humanos 6A e 7, aos quais a maioria das pessoas está exposta no início da vida, entram no organismo através do revestimento nasofaríngeo.

Segundo os investigadores, um dos vírus-chave, o 6A, regula a expressão de alguns genes de risco da doença de Alzheimer e os genes que regulam o processamento da proteína amiloide, um ingrediente importante nesta patologia neurodegenerativa (concentrações da proteína amiloide formam placas no cérebro que são características na Alzheimer).

Experiências com ratinhos revelaram alterações comportamentais provocadas pelo herpesvírus

A informação sobre a função do herpesvírus 6A, obtida a partir da análise do tecido cerebral de doentes, foi complementada com estudos envolvendo ratinhos, nos quais os cientistas avaliaram o efeito da redução de 'miR155', uma molécula que regula o sistema imunitário.

Os resultados revelaram que os ratinhos com menos 'miR155' tinham mais depósitos de placas amiloides no cérebro e alterações comportamentais.

O herpesvírus 6A é conhecido por diminuir a presença desta molécula, o que, de acordo com os cientistas, dá mais peso a um possível contributo dos vírus para a doença de Alzheimer.

Os autores do estudo sustentam que a confirmar-se que vírus ou outros agentes infecciosos desempenham um papel no desenvolvimento da doença Alzheimer, tal pode conduzir a novas terapias antivirais ou imunológicas para combater a patologia antes do aparecimento dos sintomas.

A equipa de investigadores explorou a presença de herpesvírus em seis regiões-chave do cérebro conhecidas como muito vulneráveis a danos causados pela Alzheimer e que precedem em várias décadas o diagnóstico da doença.

O estudo baseou-se em dados de sequenciação genética (ADN e ARN) de 622 dadores de cérebro com as características da doença de Alzheimer e de 322 dadores de cérebro 'normais', assim como em informação clínica sobre a evolução e gravidade da patologia antes de as pessoas morrerem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.