Cientista da UMinho recebe bolsa "milionária" do Conselho Europeu de Investigação

Conselho de Investigação Europeu atribui bolsa no valor de 1,5 milhões de euros a um investigador da Universidade do Minho. O cientista vai estudar biologia celular

Um investigador da Universidade do Minho recebeu uma "bolsa milionária" do Conselho Europeu de Investigação para estudar uma "nova forma de ligar vasos sanguíneos de pacientes e órgãos e tecidos fabricados em laboratório para transplante", anunciou hoje aquela academia.

Em comunicado, a Universidade do Minho (UMinho) explica que a bolsa de 1,5 milhões de euros atribuída a Rogério Pirraco, do Grupo de Investigação 3B's da Universidade do Minho, "são as mais prestigiadas e competitivas da Europa", sendo atribuídas pela sexta vez ao Grupo 3B's, dirigido pelo professor Rui Reis.

Segundo o texto, aquelas bolsas ERC (Conselho de Investigação Europeu, na sigla em inglês) financiam "projetos individuais cuja seleção é fundamentada, em 50%, no currículo do investigador (deve estar no topo dos que trabalham na Europa) e em 50% na excelência do projeto a executar, o seu grau de risco e a abordagem radicalmente inovadora e nas fronteiras da ciência".

Rogério Pirraco apresentou o projeto "Engineered Capillary Beds for Successful Prevascularization of Tissue Engineering Constructs" e obteve uma 'Starting Grant' (Bolsa de Iniciação de Carreira do ERC), destinada a quem está a iniciar uma carreira independente e a estabelecer a sua própria linha de investigação

O investigador, explana, "quer desenvolver uma abordagem inovadora na criação de um leito capilar bioartificial, que sirva de interface entre órgãos ou tecidos fabricados em laboratório e a vasculatura de pacientes que deles necessitem", sendo que "essa interface permitirá uma fácil ligação cirúrgica entre os vasos sanguíneos dos pacientes e os órgãos e tecidos transplantados, facilitando a perfusão destes últimos e a sua viabilidade após o transplante".

O projeto multidisciplinar, lê-se, "integra conhecimento das Ciências da Vida, nomeadamente de biologia celular para o cultivo das células que darão origem a capilares sanguíneos, e da Engenharia, para a fabricação da estrutura tridimensional do leito capilar e a sua maturação através de um biorreator com componente microfluídica, na linha da chamada 'investigação totidisciplinar' do Grupo 3B's", que faz parte do Instituto de Investigação em Biomateriais, Biomiméticos e Biodegradáveis (I3Bs) da UMinho e está sediado no AvePark, em Guimarães.

"Esta bolsa resulta do meu empenho e, também, do contexto existente no Grupo 3B's, onde disponho do apoio incondicional do professor Rui Reis, cientista de referência mundial, e de condições únicas para desenvolver a minha investigação e, obviamente, para escrever projetos competitivos", diz, no texto, Rogério Pirraco.

Para o investigador, "é uma oportunidade única para desenvolver uma tecnologia capaz de superar o problema da deficiente vascularização de órgãos e tecidos desenvolvidos em laboratório, que é um dos maiores obstáculos à aplicação clínica de estratégias de Engenharia de Tecidos, com o potencial de tratar milhões de pacientes a necessitar de transplantes".

Neste concurso de 2018 de Bolsas de Iniciação de Carreira do ERC, Portugal obteve cinco bolsas, num total de financiamento atribuído de 7,2 milhões de euros, incluindo a de Rogério Pirraco.

A UMinho já conseguiu nos diversos concursos sete bolsas do ERC, sendo duas de iniciação de carreira (StG), três de consolidação de carreira (CoG) e duas bolsas avançadas para cientistas estabelecidos (AdG). Destas, seis foram atribuídas a investigadores do Grupo 3B's.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.