Chefes de equipa de obstetrícia do Amadora-Sintra ameaçam demissão

Numa carta entregue à administração do hospital, os profissionais consideram que as condições no serviço de urgência de ginecologia e obstetrícia ​​​​​​"ultrapassaram, em várias das suas vertentes, os limites mínimos de segurança aceitáveis para o tratamento dos doentes críticos que diariamente a ele recorrem"

Os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia do hospital Amadora-Sintra ameaçam demitir-se dentro de duas semanas se não forem resolvidos os problemas identificados, como as condições de assistência na urgência.

Numa carta, a que a agência Lusa teve acesso, os profissionais consideram que "as atuais condições de assistência no serviço de urgência de ginecologia e obstetrícia do hospital Fernando Fonseca ultrapassaram, em várias das suas vertentes, os limites mínimos de segurança aceitáveis para o tratamento dos doentes críticos que diariamente a ele recorrem".

"As equipas têm ultrapassado todas as dificuldades e constrangimentos com que se têm deparado, tentando manter, com enorme esforço, nem sempre reconhecido, os padrões de qualidade e segurança históricos neste serviço de urgência"

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, Roque da Cunha, confirmou à agência Lusa que esta carta foi entregue esta quarta-feira à administração do hospital e adiantou que os internos desta especialidade do hospital Fernando Fonseca assinaram também uma minuta em que dão conta de que se recusarão a fazer mais do que as 200 horas de urgência por ano a que estão obrigados.

"As equipas têm ultrapassado todas as dificuldades e constrangimentos com que se têm deparado, tentando manter, com enorme esforço, nem sempre reconhecido, os padrões de qualidade e segurança históricos neste serviço de urgência", refere a carta dos chefes de equipa.

Tal como os chefes de equipa demissionários do hospital de São José, estes profissionais indicam que era necessário um "plano de emergência" baseado na gestão racional de recursos financeiros e humanos, mas centrado no doente

Os chefes de equipa argumentam ainda que não podem "aceitar as situações criadas, continuando a assumir as responsabilidades inerentes à sua função (...) face à degradação da qualidade assistencial no serviço de urgência do hospital Fernando Fonseca".

Tal como os chefes de equipa demissionários do hospital de São José, estes profissionais indicam que era necessário um "plano de emergência" baseado na gestão racional de recursos financeiros e humanos, mas centrado no doente.

Na carta, indicam que há uma "degradação progressiva" pela não renovação e pela diminuição das equipas, "associada a um desaparecimento de condições essenciais" para o funcionamento correto da urgência, dando como exemplos a diminuição das salas com apoio de enfermagem. Referem ainda ausência de contratação de médicos jovens que rejuvenesçam as equipas.

Os médicos do Fernando Fonseca afirmam que têm alertado várias vezes para estes problemas, sem que até ao momento haja "tomada de medidas com vista à diminuição das suas consequências".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.