Celebridades que promovem produtos nas redes sociais na mira de regulador

Reino Unido pede cooperação dos consumidores para denunciar casos de publicidade não declarada. Figuras como Cristiano Ronaldo ou Kim Kardashian ganham até 870 mil euros por post patrocinado no Instagram, diz a Reuters

Celebridades e personalidades com influência que promovem produtos nas redes sociais, sem assinalar as suas postagens como pagas pelas marcas, estão a ser alertadas ​​que podem estar a violar as regras, com a entidade reguladora do Reino Unido a lançar uma investigação sobre a tendência.

As recomendações de celebridades e influencers que têm milhões de seguidores nas redes sociais é uma estratégia de marketing crescente para as marcas, mas a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA) aponta que tais promoções podem enganar os consumidores, noticia esta quinta-feira a Reuters.

A CMA diz ter constatado existirem postagens que parecem promover produtos, sem ficar claro se a postagem foi paga pela marca em causa. "Se as pessoas veem roupas, cosméticos, carros ou umas férias serem promovidas por alguém que admiram, podem ser convencidas a comprar", disse à Reuters George Lusty, diretor de proteção ao consumidor da CMA.
"Portanto, é realmente importante que lhes seja dito claramente quando uma celebridade promove um produto porque o comprou ou porque foi pago ou retribuído de alguma forma pela marca."

Marcas gastam milhões


A CMA adiantou que escreveu a várias pessoas famosas do Reino Unido para recolher mais informações sobre os acordos comerciais com as marcas. Também quer que o público transmita as suas experiências como parte da investigação.
Gigantes do consumidor como Pernod Ricard, Unilever, Nestlé e Mars gastam milhões com os chamados influencers para promover produtos.

As marcas pagam de 9 mil euros a mais de 90 mil por um único post numa rede social, dependendo do tamanho, do engajamento e da lealdade dos seguidores. A Unilever confirmou que a prática representa "dezenas de milhões" de seu marketing de 7,7 mil milhões de euros no ano passado, relata a Reuters.

Os mais famosos podem ganhar ainda mais. As estrelas de reality-show Kylie Jenner e Kim Kardashian, a cantora Selena Gomez e o jogador de futebol português Cristiano Ronaldo são as celebridades mais bem pagas por post no Instagram, ganhando até 870 mil euros por publicação, de acordo com a HopperHQ, empresa de gestão de posts no Instagram.

Estas postagens costumam ser marcadas como "parceria paga por", "patrocinado" ou "#ad" para indicar que as estrelas foram pagas pelas marcas em questão para promoverem os produtos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.