Cão desaparecido no Seixal apareceu um ano e dois meses depois em Coimbra

Fox, um cão pastor, estava desnutrido, "praticamente só com a pele", e foi encontrado por uma mulher que alertou a associação Condeixa Patudos. Estava a mais de 200 kms de casa mas já está com os donos

Foi numa noite de trovoada que, há um ano e dois meses, Fox, um cão de grande porte, fugiu de casa no Seixal. A dona, Ana Cristina Silva, procurou por todos os meios encontrar o animal. E Fox apareceu na segunda-feira, a mais de 200 kms de casa, em Condeixa-a-Nova, perto de Coimbra. Foi uma mulher que o viu abandonado, muito magro e doente. Contactou a associação de proteção animal Condeixa Patudos e, em pouco tempo, a dona tinha uma grande alegria ao verificar que Fox, de cinco anos, estava vivo. Hoje de manhã, Fox foi entregue à dona e já viajou para o Seixal.

"Na segunda-feira, ligou-me uma senhora que vive perto de Condeixa a dizer que tinha encontrado um cão, muito maltratado, que mal andava e era muito grande. Não tinha chip. Pediu-lhe para guardar o cão até saber o que fazer e assim foi. Quando vi o cão percebi que era meigo. Estava mal, praticamente era só pele e tinha feridas. Estava muito desnutrido. Fiz fotos e vídeos, coloquei no Facebook para ver se alguém o reconhecia. Já era amiga da Ana Cristina Silva no Facebook, devido à causa dos animais, e a dúvida inicial prendeu-se com a ausência de chip, Quando fugiu tinha o chip mas não é o primeiro caso em que vejo a perda do chip. Ela veio cá hoje e confirmou que era ele", contou ao DN Olga Ruth, presidente da Condeixa Patudos.

Ana Cristina Silva confessa ainda estar "meio anestesiada" após o reencontro "emocionante" com o seu cão. "Ele fugiu com a cadela Roxy quando o portão elétrico abriu devido à trovoada. A cadela apareceu dois meses depois, perto de casa. Ele ficou perdido. Procuramos muito, divulgamos fotos. Nunca perdemos a esperança. Há perto de dois meses a Olga Ruth avisou-me que tinha sido avistado um cão parecido lá. Mas não foi possível encontrá-lo na altura. Aconteceu agora, felizmente", disse a dona de Fox, ao DN. O momento serve também de alerta. "As pessoas devem verificar se o chip estava bem colocado. Por vezes saem e nem se dá conta."

Perdeu 20 quilos

Fox, que nasceu de cruzamento entre um pastor alemão e uma pastora belga, perdeu cerca de 20 quilos. "Pesava agora só 18 quilos e quando fugiu andava pelos 40", adiantou Olga Ruth, que confirma ter sido há mês e meio alertada para um cão grande que foi visto a vaguear na zona de Condeixa. "Fui procurá-lo na altura mas não o encontrei."

Não se sabe o que andou a fazer Fox nestes 18 meses nem como foi da margem sul para perto de Coimbra. "Há coisas destas. Ele teve que ser alimentado. A desnutrição que apresenta não é de ano e meio, teria morrido. Pode ter estado com alguém um período de tempo e depois abandonado, não se sabe", acrescentou a reformada que há menos de um ano criou a associação em Condeixa. Já conseguiu a adoção de 153 cães e 72 gatos.

O cão foi visto por um veterinário e ainda precisa de ser de novo avaliado. "Pode ter doenças. Mas creio que o principal problema é a desnutrição e irá recuperar", disse Olga Ruth. Ana Cristina Silva teme mais pela forma como irá reagir ao regresso ao convívio com a cadela Roxy, passado tanto tempo. "Vamos ver se reconhece tudo em casa."

O reencontro com a dona "foi muito emocionante" e foi registado em vídeo e fotos por Olga Ruth. "Já tinha duas pessoas que se ofereceram para adotá-lo, mas apareceu a dona. Ainda melhor."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.