Cão desaparecido no Seixal apareceu um ano e dois meses depois em Coimbra

Fox, um cão pastor, estava desnutrido, "praticamente só com a pele", e foi encontrado por uma mulher que alertou a associação Condeixa Patudos. Estava a mais de 200 kms de casa mas já está com os donos

Foi numa noite de trovoada que, há um ano e dois meses, Fox, um cão de grande porte, fugiu de casa no Seixal. A dona, Ana Cristina Silva, procurou por todos os meios encontrar o animal. E Fox apareceu na segunda-feira, a mais de 200 kms de casa, em Condeixa-a-Nova, perto de Coimbra. Foi uma mulher que o viu abandonado, muito magro e doente. Contactou a associação de proteção animal Condeixa Patudos e, em pouco tempo, a dona tinha uma grande alegria ao verificar que Fox, de cinco anos, estava vivo. Hoje de manhã, Fox foi entregue à dona e já viajou para o Seixal.

"Na segunda-feira, ligou-me uma senhora que vive perto de Condeixa a dizer que tinha encontrado um cão, muito maltratado, que mal andava e era muito grande. Não tinha chip. Pediu-lhe para guardar o cão até saber o que fazer e assim foi. Quando vi o cão percebi que era meigo. Estava mal, praticamente era só pele e tinha feridas. Estava muito desnutrido. Fiz fotos e vídeos, coloquei no Facebook para ver se alguém o reconhecia. Já era amiga da Ana Cristina Silva no Facebook, devido à causa dos animais, e a dúvida inicial prendeu-se com a ausência de chip, Quando fugiu tinha o chip mas não é o primeiro caso em que vejo a perda do chip. Ela veio cá hoje e confirmou que era ele", contou ao DN Olga Ruth, presidente da Condeixa Patudos.

Ana Cristina Silva confessa ainda estar "meio anestesiada" após o reencontro "emocionante" com o seu cão. "Ele fugiu com a cadela Roxy quando o portão elétrico abriu devido à trovoada. A cadela apareceu dois meses depois, perto de casa. Ele ficou perdido. Procuramos muito, divulgamos fotos. Nunca perdemos a esperança. Há perto de dois meses a Olga Ruth avisou-me que tinha sido avistado um cão parecido lá. Mas não foi possível encontrá-lo na altura. Aconteceu agora, felizmente", disse a dona de Fox, ao DN. O momento serve também de alerta. "As pessoas devem verificar se o chip estava bem colocado. Por vezes saem e nem se dá conta."

Perdeu 20 quilos

Fox, que nasceu de cruzamento entre um pastor alemão e uma pastora belga, perdeu cerca de 20 quilos. "Pesava agora só 18 quilos e quando fugiu andava pelos 40", adiantou Olga Ruth, que confirma ter sido há mês e meio alertada para um cão grande que foi visto a vaguear na zona de Condeixa. "Fui procurá-lo na altura mas não o encontrei."

Não se sabe o que andou a fazer Fox nestes 18 meses nem como foi da margem sul para perto de Coimbra. "Há coisas destas. Ele teve que ser alimentado. A desnutrição que apresenta não é de ano e meio, teria morrido. Pode ter estado com alguém um período de tempo e depois abandonado, não se sabe", acrescentou a reformada que há menos de um ano criou a associação em Condeixa. Já conseguiu a adoção de 153 cães e 72 gatos.

O cão foi visto por um veterinário e ainda precisa de ser de novo avaliado. "Pode ter doenças. Mas creio que o principal problema é a desnutrição e irá recuperar", disse Olga Ruth. Ana Cristina Silva teme mais pela forma como irá reagir ao regresso ao convívio com a cadela Roxy, passado tanto tempo. "Vamos ver se reconhece tudo em casa."

O reencontro com a dona "foi muito emocionante" e foi registado em vídeo e fotos por Olga Ruth. "Já tinha duas pessoas que se ofereceram para adotá-lo, mas apareceu a dona. Ainda melhor."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.