Campeões e cozinheiras. Carrefour debaixo de fogo na Argentina por campanha "sexista"

Para o Dia da Criança, que se comemora a 19 de agosto na Argentina, a cadeia de supermercados lançou uma campanha para meninos e meninas que foi apelidada de sexista. A empresa acabou por pedir desculpa e retirou os cartazes.

"Com 'C' de Campeão", lê-se no cartaz com um menino de capacete. "Com 'C' de Cozinheira" diz o placard com uma menina atrás de uma estação de cozinha. Estes anúncios publicitários fazem parte da campanha do Carrefour da Argentina para o Dia da Criança, comemorado neste país da América do Sul a 19 de agosto, que foi apelidada de "sexista", tendo provocado uma chuva de críticas contra a cadeia de supermercados.

"Que vergonha, Carrefour", lê-se numa das criticas à cadeia de supermercados.

Nas redes sociais, os argentinos não esconderam a indignação contra o que dizem ser "estereótipos de género" através das profissões atribuídas a meninos e meninas na publicidade. "Que em pleno século XXI se aprovem campanhas deste tipo é um passo atrás na diversidade, que é tão difícil de alcançar. Que vergonha, Carrefour", lê-se numa das publicações do Twitter que arrasa a rede internacional de hipermercados fundada em França.

"Para que nunca te esqueças de que, mesmo tendo conquistado muitos direitos, o teu lugar ainda é esse", critica outra internauta, que de forma irónica agradece à marca por relacionar os meninos a campeões e as meninas a cozinheiras. "Obrigado, Carrefour."

"Somos campeãs, cientistas, capazes e estamos cansadas."

Às vozes de indignação juntou-se a de Juan Ignacio Azcune, advogado e provedor dos direitos dos cidadãos da província de Buenos Aires, que apelou para que a campanha fosse retirada das lojas e para quea marca pedisse desculpa, o que acabaria por acontecer.

A contestação saltou as fronteiras da Argentina. "Com 'C' dos homens das cavernas! Somos campeãs, cientistas, capazes e estamos cansadas", reagia uma professora de Psicologia na Universidade de Granada​​​​​​, na Andaluzia, Espanha.​

As críticas foram tantas à cadeia de supermercados que o assunto chegou a ser o mais falado no Twitter na Argentina e levou a empresa a pedir desculpas pela campanha.

O Carrefour Argentina admitiu que a iniciativa publicitária "foi um erro". "De maneira nenhuma representa o que a nossa empresa pensa e faz em matéria de diversidade. Já estamos a retirar as imagens das nossas lojas", lê-se na resposta da marca a uma das muitas críticas de que foi alvo.

O momento foi registado por internautas que celebraram a retirada dos polémicos cartazes de várias lojas. "Estão a tirar os cartazes machistas! A onda de críticas teve bons resultados", congratula-se uma argentina que se manifestou contra a "publicidade sexista", entretanto eliminada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.