Campeões e cozinheiras. Carrefour debaixo de fogo na Argentina por campanha "sexista"

Para o Dia da Criança, que se comemora a 19 de agosto na Argentina, a cadeia de supermercados lançou uma campanha para meninos e meninas que foi apelidada de sexista. A empresa acabou por pedir desculpa e retirou os cartazes.

"Com 'C' de Campeão", lê-se no cartaz com um menino de capacete. "Com 'C' de Cozinheira" diz o placard com uma menina atrás de uma estação de cozinha. Estes anúncios publicitários fazem parte da campanha do Carrefour da Argentina para o Dia da Criança, comemorado neste país da América do Sul a 19 de agosto, que foi apelidada de "sexista", tendo provocado uma chuva de críticas contra a cadeia de supermercados.

"Que vergonha, Carrefour", lê-se numa das criticas à cadeia de supermercados.

Nas redes sociais, os argentinos não esconderam a indignação contra o que dizem ser "estereótipos de género" através das profissões atribuídas a meninos e meninas na publicidade. "Que em pleno século XXI se aprovem campanhas deste tipo é um passo atrás na diversidade, que é tão difícil de alcançar. Que vergonha, Carrefour", lê-se numa das publicações do Twitter que arrasa a rede internacional de hipermercados fundada em França.

"Para que nunca te esqueças de que, mesmo tendo conquistado muitos direitos, o teu lugar ainda é esse", critica outra internauta, que de forma irónica agradece à marca por relacionar os meninos a campeões e as meninas a cozinheiras. "Obrigado, Carrefour."

"Somos campeãs, cientistas, capazes e estamos cansadas."

Às vozes de indignação juntou-se a de Juan Ignacio Azcune, advogado e provedor dos direitos dos cidadãos da província de Buenos Aires, que apelou para que a campanha fosse retirada das lojas e para quea marca pedisse desculpa, o que acabaria por acontecer.

A contestação saltou as fronteiras da Argentina. "Com 'C' dos homens das cavernas! Somos campeãs, cientistas, capazes e estamos cansadas", reagia uma professora de Psicologia na Universidade de Granada​​​​​​, na Andaluzia, Espanha.​

As críticas foram tantas à cadeia de supermercados que o assunto chegou a ser o mais falado no Twitter na Argentina e levou a empresa a pedir desculpas pela campanha.

O Carrefour Argentina admitiu que a iniciativa publicitária "foi um erro". "De maneira nenhuma representa o que a nossa empresa pensa e faz em matéria de diversidade. Já estamos a retirar as imagens das nossas lojas", lê-se na resposta da marca a uma das muitas críticas de que foi alvo.

O momento foi registado por internautas que celebraram a retirada dos polémicos cartazes de várias lojas. "Estão a tirar os cartazes machistas! A onda de críticas teve bons resultados", congratula-se uma argentina que se manifestou contra a "publicidade sexista", entretanto eliminada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.