Caçadores furtivos matam dezenas de elefantes no Botswana

"Estou chocado, completamente perplexo. A caça aos elefantes é de longe a maior que já vi", conta um cientista de uma ONG

Foram encontradas mais de 90 carcaças de elefantes perto de um santuário da vida selvagem no Botswana. Os elefantes terão sido mortos por caçadores furtivos, segundo denunciou a organização Elephants Without Borders, que tem alertado para o facto de a caça furtiva estar a aumentar em África.

"Estou chocado, completamente perplexo. A caça aos elefantes é de longe a maior que já vi ou li em qualquer lugar de África", disse à BBC Mike Chase, cientista que trabalha para a Elephants Without Borders.

Este investigador explicou que muitos dos elefantes - aos quais foram retiradas as presas - foram mortos há poucas semanas e que cinco rinocerontes brancos estavam mortos há cerca de três meses.

"Quando comparo o que aconteceu com os dados do censos ao número de elefantes que fiz em 2015 reparamos que, neste caso, estamos com o dobro dos animais mortos quando comparado com outro qualquer lugar de África", acrescentou.

Este levantamento estimava que um terço dos elefantes africanos foi morto na última década e 60% dos elefantes da Tanzânia foram mortos em cinco anos.

Até há cerca de dois anos o Botswana tinha a reputação de ser implacável com os caçadores furtivos e, por isso, não existiam registos de grandes caçadas no país.

Aliás, os dados dos sistemas de rastreamento colocados nos elefantes mostravam que estava a surgir uma migração destes animais de Angola, Namíbila e Zâmbia para o Botswana, onde existiam cerca de 130 mil.

Agora, estas carcaças foram encontradas no interior do país perto do santuário de vida selvagem do Delta do Okavango, região que atrai turistas de todo o mundo.

"As pessoas tinham-nos alertado para a existência de caça furtiva e pensávamos que estávamos preparados para a enfrentar", sublinhou Mike Chase que alertou para o impacte que terá o desmantelamento da unidade anti-caça furtiva que existia no país.

"É claro que precisamos de fazer mais para impedir a escalada do que estamos a gravar na nossa pesquisa", frisou.

O governo decidiu desarmar estas unidades em maio - um mês depois de o presidente Mokgweetsi Masisi ter tomado posse.

Na altura, um alto funcionário do governo confirmou aos jornalistas, de acordo com a BBC, que o governo tinha decidiu "retirar armas e equipamentos militares do Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais". Carter Morupisi não explicou as razões desta decisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.