Bayer deixa de vender contraceptivo perigoso

Em Portugal, a venda está suspensa desde julho de 2017. Logo depois de, em Espanha, 30 mulheres terem avançado com uma queixa em tribunal por suspeita de "falta de controlo sanitário" em relação ao produto que as terá deixado inférteis.

A Bayer vai descontinuar a comercialização do contracetivo Essure, dispositivo introduzido no organismo feminino, até ao final do ano. Em Portugal, França e Espanha a venda foi suspensa há um ano e recomendado que o produto deixasse de ser utilizado.

Tal aconteceu depois de 30 mulheres espanholas terem avançado com uma queixa na justiça por suspeita de "falta de controlo sanitário" do produto.depois de o usaDe acordo com a comunicação social espanhola, que hoje volta ao tema por o processo ainda não ter começado a ser julgado, as mulheres alegavam terem ficado inférteis, depois de o usarem. As queixosas argumentavam não terem sido alertadas pela empresa para as contraindicações do contracetivo, as quais lhe terão provocado "graves lesões". Segundo a edição de hoje do El País, "as doentes nunca foram informadas adequadamente sobre as possíveis complicações relacionadas com o produto, que poderiam afetar a sua saúde." No texto apresentado à justiça, as mulheres sustentavam que tal "omissão terá sido intencionada."

Um ano depois deste caso a Bayer decide descontinuar a comercialização em todo o mundo, mas logo em setembro do ano passado tinha "decidido cancelar o pedido de renovação do certificado" de venda do produto, confirmou ao DN a autoridade do medicamento em Portugal, Infarmed.

A mesma entidade informa ainda que a empresa sustentou a descontinuação do contracetivo com o "declínio das vendas" nos Estados Unidos nos últimos tempos. Em Portugal, o produto começou a ser comercializado em 2002 e ao longo deste tempo foram distribuídos cerca de 6000 dispositivos. Até agora, o Infarmed não recebeu qualquer notificação de profissionais de saúde ou de doentes sobre efeitos nocivos".

No entanto, e tendo em conta que em Portugal ainda existem mulheres a usar o Essure, o dispositivo "continuará a ser monitorizado".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.