Bastonária dos Enfermeiros diz que não há "estratégia desleal" contra o SNS

Ana Rita Cavaco garante que não há "nenhuma estratégia desleal" contra o Serviço Nacional de Saúde, afirmando que "a única deslealdade" existente é da ministra da Saúde"

Ana Rita Cavaco acusa a ministra de "perseguir" quem denuncia para que os problemas sejam resolvidos, numa reação esta segunda-feira às declarações de Marta Temido. A governante afirmou que vai acontecendo "uma estratégia de terra queimada e até desleal para com as populações", em termos de informação, facto que causa "perturbação e uma sensação de desconfiança que não é real".

"Não há aqui nenhuma estratégia desleal, a única deslealdade que há é da senhora ministra da Saúde ao perseguir aqueles que efetivamente denunciam para que alguma coisa aconteça", disse a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) aos jornalistas, à margem de uma conferência de imprensa sobre o processo de sindicância ordenado pelo Ministério da Saúde à OE.

Sublinhando que há três anos que o discurso dos ministros da Saúde é este, a bastonária afirmou que, da parte da Ordem dos Enfermeiros, tem havido sempre "uma postura de defesa" do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Nós quando denunciamos situações à comunicação social fazemos sempre questão de dizer que o estamos a fazer para que os problemas sejam resolvidos, porque enquanto eles não são conhecidos, infelizmente ninguém toma conta deles nem há uma resolução", afirmou.

Ana Rita Cavaco lamentou ainda que o Governo não tenha "um plano a curto, a médio e a longo prazo" para a saúde.

"É um Governo de reação, não é um Governo que para a saúde tenha um plano a curto ou a médio prazo. Aliás, eu creio que foram ontem [domingo] divulgadas as prioridades do PS enquanto candidato a legislativas e não vimos lá a saúde", sustentou.

Para Ana Rita Cavaco, a saúde tem "graves dificuldades que têm de ser olhadas como um plano a curto, a médio e a longo prazo".

A ministra da Saúde, que falava à margem da inauguração das obras de requalificação do centro de saúde da Sertã, no distrito de Castelo Branco, disse que não está no Governo para lutas.

"Não estou cá para lutas. Estou cá para trabalhar em nome dos interesses dos utentes do Serviço Nacional de Saúde e os portugueses não me perdoavam se perdesse tempo em discussões mais ou menos inúteis relativamente a quem é que tem o ego maior. Estou cá para trabalhar", frisou.

A ministra reconheceu que o SNS tem muitos problemas e que tem aspetos que é preciso melhorar.

Sem se referir diretamente a qualquer campanha contra o SNS, Marta Temido realçou que à ministra, cabe-lhe trabalhar, não lhe cabe ser comentadora política nem fazer esse tipo de análise: "Há uma coisa que podem ter a certeza é que não me vou distrair".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.