Azinheira portuguesa no pódio da árvores do ano

Vencedora é uma amendoeira da Hungria. Segundo lugar foi entregue a um carvalho na Rússia.

Já é conhecida a árvore do ano 2019. Uma amendoeira da Hungria arrecadou o primeiro lugar, numa votação que decorreu online e cujos resultados foram revelados esta terça-feira, no Parlamento Europeu. Em segundo lugar ficou um carvalho russo e o terceiro lugar acabou conquistado por uma azinheira portuguesa.

A amendoeira de Snowy Hill em Pécs, vista como um símbolo húngaro de renovação eterna, arrecadou 45 132 votos. O carvalho Abramtsevo teve 39 538 votos e a azinheira secular do Monte Barbeiro, 32 630 votos. Esta é a quarta vez que a Hungria vence esta distinção. Já Portugal está pela segunda vez no pódio da competição - tendo vencido no ano passado com um sobreiro - organizada pela Environmental Partnership Association e pela European Landowners' Organisation, que pretendem promover o ambiente e a diversidade.

A árvore vencedora tem 135 anos e está em frente à Igreja da Nossa Senhora das Neves em Pécs. A azinheira portuguesa de 150 anos fica no concelho de Mértola (a sete quilómetros da Alcaria Ruiva). Tem uma copa de 23,28 metros de diâmetro.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?