Morreu Francisco Amaral, autor do programa de rádio "Íntima Fração"

Emitido pela primeira vez na Antena 1 em 1984, o programa passava atualmente na Radar FM.

O realizador do programa de rádio "Íntima Fração", Francisco Amaral, de 68 anos, morreu no sábado de doença súbita, em Coimbra, disseram hoje amigos do profissional à agência Lusa.

Francisco Amaral, autor de vários programas de rádio, entre os quais "Íntima Fração", emitido pela primeira vez na Antena 1 em 1984, morreu no sábado, na sua casa.

Aquele programa ia para o ar há 35 anos e era emitido atualmente na Radar FM, após ter sido sucessivamente difundido pela Antena 1, TSF, Rádio Universidade de Coimbra, Rádio Clube Português e Expresso Online.

Produtor e realizador de audiovisuais, Francisco Amaral era também professor e coordenador da licenciatura em Multimédia do Instituto Superior Miguel Torga, em Coimbra, além de diretor do programa de televisão "ESEC TV" (RTP 2), produzido por profissionais, alunos e estagiários da licenciatura em Comunicação Social da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), com a colaboração de estudantes de outras licenciaturas deste estabelecimento do Instituto Politécnico da cidade do Mondego.

Entre outras funções na área audiovisual, foi diretor de programas da extinta Rádio Regional do Centro (RJC), associada da TSF, e apresentador na TV Saúde, em Coimbra, onde nasceu e residia.

Com formação inicial nas áreas das artes visuais, arquitetura e história de arte e estágios em cinema de animação com o professor belga Gaston Roch, no Instituto Superior de Artes Visuais de Bruxelas, Francisco Amaral estudou igualmente em França, como bolseiro da Federação Portuguesa de Cinema e Audiovisuais.

Colaborou também com a SIC e exerceu ainda a docência na Escola Secundária José Falcão, em Coimbra.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.