Asteroide do tamanho da pirâmide de Gizé vai passar de raspão pela Terra

É designado como a rocha 2016NF23. A NASA classificou-o como "potencialmente perigoso", mas não constitui uma ameaça real.

Tem o tamanho da Grande Pirâmide de Gizé e já foi classificado pela NASA como "potencialmente perigoso", mas a sua passagem de raspão pela Terra não envolverá riscos. O asteroide de que falamos, a rocha 2016NF23, passará durante a madruga de quarta-feira a uma distância mínima de pelo menos oito milhões de quilómetros, mas nada será alterado no curso da vida terrestre.

Segundo refere o jornal espanhol ABC, o tamanho e a distância a que vai passar do nosso planeta levaram a agência espacial a considerá-lo um objeto próximo da Terra e "potencialmente perigoso", mas isso não significa que seja uma ameaça real para a Terra.

Estima-se que o asteroide possa medir entre 70 e 160 metros de diâmetro, o que, no mínimo, equivale ao comprimento de um Boeing 747 e, no máximo, à Grande Pirâmide de Gizé (146 metros). Voa a 32 400 quilómetros por hora, uma velocidade cerca de 16 vezes maior que a de uma bala. Ou seja, refere ainda o ABC, que este asteroide levaria apenas dez minutos para cobrir a distância entre Londres e Nova York.

O ABC explica ainda que a Terra é constantemente visitado por asteroides, a ponto de receber 100 toneladas de material desses corpos todos os dias. Por exemplo, a 28 de dezembro de 2017, um asteroide, designado como 2017 YZ4, com cerca de 15 metros de comprimento, mais ao menos o tamanho de um autocarro, poderia ter pregado um bom susto aos terrenos, ao passar pelo nosso Planeta apenas a 224 000 quilómetros, mais perto do que a Lua, e se tivesse caído numa zona povoada. O jornal espanhol salienta mesmo que poderia ter provocado danos semelhantes aos causados ​​pelo meteorito Chelyabinsk, que em fevereiro de 2013 explodiu logo acima da cidade russa e fez mais de mil feridos.

Poucas horas depois do voo do asteroide 2016NF23, um outro designado como 1998SD9, com 38 a 86 metros, passará por nós a uma distância menor do que o primeiro, mas com segurança, quase sem darmos por isso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.