As novas Barbies têm próteses e andam de cadeira de rodas

As bonecas pertencem à linha Fashionistas da Barbie, que pretende ser mais inclusiva. Deverão estar à venda em junho deste ano.

Já existiam bonecas com diferentes tipos de corpos, tons de pele, estilos de penteados e roupas. Agora, a Mattel anunciou o lançamento de duas bonecas com deficiências físicas: uma anda de cadeira de rodas, a outra tem uma prótese numa das pernas. Dois novos modelos que deverão estar à venda em junho de 2019.

"Ao longo dos anos, a linha da Barbie Fashionistas tem vindo a evoluir, para que possa representar melhor o mundo que as meninas veem à sua volta. Estamos muito contentes por mostrar os novos modelos Fashionistas, que fazem desta linha a mais diversa no mundo", anunciou a empresa no Facebook.

Esta linha, conta o Mashable, pretende refletir uma variedade de aparências e identidades, contando para isso com um total de cem looks.

"Como marca, podemos elevar a conversa em torno das deficiências físicas, incluindo-as na nossa linha de bonecas, para mostrar uma visão multidimensional de beleza e moda", disse a Mattel em comunicado, citado pelo Mashable.

Segundo a empresa, os fãs pediam frequentemente que fosse lançada uma boneca que andasse de cadeira de todas, e a Mattel decidiu aceder ao pedido. Para garantir que a boneca era fiel à realidade, trabalhou juntamente com o UCLA Mattel Children's Hospital, bem como com especialistas em cadeiras de rodas.

A cadeira de rodas poderá, segundo a Mattel, ser usada por qualquer boneca da linha Made to Move. Além disso, será lançada uma rampa para a mesma.

Já a boneca com a prótese amovível foi feita em colaboração com Jordan Reeves, uma rapariga de 13 anos, responsável pela criação da fundação Born Just Right, que desenvolve soluções para melhorar a vida de jovens com deficiências.

Nos últimos anos, a Mattel tem vindo a procurar tornar-se cada vez mais inclusiva. Além de diferentes tipos de corpos e tons de pele, incluiu profissões que habitualmente eram atribuídas aos homens, como a engenharia robótica, como forma de fomentar o interesse das meninas pelas áreas de STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática).

Em março do ano passado, a marca resolveu homenagear mulheres inspiradoras, criando bonecas que representavam a pintora mexicana Frida Kahlo, a golfista mexicana Lorena Ochoa, a cientista afro-americana Katherine Johnson e a aviadora norte-americana Amelia Earhart.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.