Arqueólogos preparam-se para abrir sarcófago de granito no Egito

Antes de abrir o sarcófago é preciso uma longa preparação

Arqueólogos egípcios preparam-se para abrir um enorme sarcófago de granito preto descoberto no início de julho em Alexandria, no Egito. Com quase três metros, é um dos maiores descobertos nas escavações da antiga cidade e foi encontrado intacto juntamente com uma cabeça de alabastro, ambos enterrados há dois milhares de anos.

A descoberta foi anunciada no Facebook pelo ministério de Antiguidades.

"Esperamos que este túmulo pertença a um alto dignitário" da dinastia ptolemaica, que começou depois de a morte de Alexandre o Grande, três séculos antes de Cristo, disse Ayman Ashmawy, do ministério das antiguidades do Egito, citado no The Guardian.

"Quando abrirmos o sarcófago, esperamos encontrar objetos intactos, que nos ajudem a identificar esta pessoa e a sua posição", acrescentou.

Antes de abrir o sarcófago, no entanto, é preciso uma longa preparação: terá de ser aberto no local, uma vez que o seu peso e dimensão tornam muito complicado o transporte para o museu - só a parte de cima pesa 15 toneladas e está enterrado a cinco metros da superfície.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.