Youtube acusa política de direitos de autor da UE de pôr site em risco

A CEO da plataforma dizem que a nova política de direitos de autor da UE podem levar à proibição de carregamento de vídeos por parte dos utilizadores

David Pereira
© REUTERS/Dado Ruvic/File Photo

A CEO do Youtube, a norte-americana Susan Wojcicki, diz que a nova política de direitos de autor da União Europeia podem levar a que os seus utilizadores fiquem proibidos de carregar os seus próprios vídeos, o colocará em risco toda a comunidade criativa e que poderá "mudar drasticamente a forma como vemos a internet hoje em dia".

Uma das partes mais controversas da nova política, o artigo 13, forçará plataformas importantes como o Youtube a examinar cada vídeo que for carregado e garantir que nada contenha conteúdo protegido por direitos de autor. Ativistas alegam que isso poderia forçar empresas a banir memes que usam imagens ou gifs de meios de comunicação, o que prejudicaria a forma como as redes sociais funcionam.

A oposição às novas regras uniu defensores de direitos autorais e algumas das maiores plataformas na internet, entre os quais o Youtube, que disse poder-se ver a ser forçado a deixar de permitir que utilizadores comuns carreguem vídeos, concentrando-se nos conteúdos de um pequeno número de grandes empresas. Os utilizadores na União Europeia podem ser impedidos de ver alguns vídeos e os pequenos criadores poderão ser arruinados, avisa a empresa.

Wojcick alega que o artigo 13 "ameaça acabar com a capacidade de milhões de pessoas de enviar conteúdo para plataformas como o Youtube", numa carta escrita à comunidade de criadores de vídeos do site. As novas regras também "ameaçam centenas de milhares de empregos", considera a CEO.