Filhos de emigrantes: "Temos duas vidas, uma em casa, outra na rua"

Encontro Europeu de Jovens Lusodescendentes trouxe a Cascais mais de meia centena de filhos de portugueses que herdaram dos pais o sotaque e o amor à terra. Vieram conhecer os "irmãos"

Paula Freitas Ferreira
Patrícia Cabeço e Astrid Cerqueira, ambas nasceram em Paris, mas sentem-se mais portuguesas do que francesas | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Hermano Sanches Ruivo e um dos filho, Rafael Ruivo. É o presidente da Cap Magellan e o mentor destes encontros de lusodescendentes | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Yohann e Yannick Lopes, 33 e 35 anos, são irmãos e músicos profissionais. Os pais foram para França "a salto" | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Participantes do encontro de lusodescendentes conheceram-se esta sexta-feira no auditório do Centro Cultural de Cascais.  | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Raquel Andrade, trabalha na associação Cap Magellan. Nasceu em Paris, é filha de portugueses e fala um português perfeito.  | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Vasco Suamo, 28 anos, é angolano e está a concluir um Mestrdao em Relaçºões Internacionais na Universidade da Beira Interior. Está em Paris por um ano e ajudou a organizar o encontro de lusodescendentes. É na Covilhã que se sente "em casa". | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens
Ana Rodrigues, Joana Oliveira, Rui Borges e Maria Pinto: vieram de Bragança, Braga e Vila Franca de Xira, para conhecerem "os portugueses de lá" | foto Filipa Bernardo/ Global Imagens

A nova geração de emigrantes portugueses tem mais instrução, mas não é a responsável pela mudança na perceção que os franceses têm do nosso país. "Está tudo a mudar porque eles começaram a visitar Portugal e gostaram", diz ao DN Patrícia Cabeço, 24 anos, uma lusodescendente que estudou na Sorbonne. A jovem garante que ainda existe preconceito em relação aos emigrantes lusos, principalmente para com aqueles que, como os seus pais, partiram de Vale de Cambra, em Aveiro, para tentarem uma vida melhor. E os pais de Patrícia são quase o cliché: o pai trabalha numa fábrica de automóveis, a mãe é porteira. A jovem é uma das participantes no Encontro Europeu de Jovens Lusodescendentes 2018, que decorre em Cascais de 10 a 13 de agosto, a meio comemora-se o Dia da Lusodescendência (dia 12) e que tem como missão fomentar a ligação entre "os portugueses de lá e os portugueses de cá".

A iniciativa, da associação Cap Magellan, tem vários anos, mas pretende "relançar estes encontros que são muito importantes para as novas gerações de lusodescendentes", disse o ex-presidente da Cap Magellan (liderada desde 2013 por Anna Martins) e vereador na câmara de Paris, Hermano Sanches Ruivo, nascido em Alcains, Castelo Branco, emigrante em França desde os cinco anos. Com ele, a Cascais, trouxe um dos filhos, Rafael, de 15 anos. "Vê lá se aprendes alguma coisa", diz, a sorrir.

Trata-se mesmo de aprender, uns com os outros, e de conhecer mais do Portugal dos pais, o país que todos estes jovens trazem no coração e no sotaque. Em três dias, vão falar sobre como estudar em Portugal e sobre a língua portuguesa, mas sobretudo conhecer mais e melhor a cidade e os outros lusodescendentes e portugueses que participam do encontro. Ao todo, são 53 jovens e chegaram não só de França, como do Luxemburgo, Suíça e Suécia.

"Vivemos duas vidas, uma em casa, outra na rua", diz Patrícia Cabeço, garantindo que todos já se habituaram a viver dessa forma. O lado português é sempre o da alegria: "Associamos o português ao divertimento e o francês às preocupações", admite.

Astrid Cerqueira, de 23 anos, amiga de Patrícia, é, como ela, voluntária na Cap Magellan, e concorda com a afirmação. Os pais são de Amarante, e os olhos brilham-lhe quando fala da terra "tão bonita" que lhe coube em herança.

Esteve a estudar no Porto um ano, através do programa Erasmus, e sentiu-se pela primeira vez portuguesa "a sério". "Nunca tinha vivido aqui, sem ser nas férias. Adorei. Gostava de viver em Portugal, mas é complicado encontrar trabalho", resume.

Em França, não há vales ou rios como estes, e as pessoas na rua não falam a língua dos pais. França não é Portugal. "A vida leva-se melhor aqui, em Paris é sempre a correr. "Métro, boulot, dodo" - "Metro, trabalho, dormir", é uma expressão que usamos muito, explica Patrícia Cabeço. Os lusodescendentes não atravessaram a fronteira a salto, mas olham para o país onde nasceram como o lugar da labuta e pouco mais.

A salto, para França, partiram os pais de Johann e Yannick Lopes, dois irmãos de 33 e 35 anos. São músicos profissionais, um tem um doutoramento em concertina e o outro é campeão de acordeão. Têm estudos superiores em Música, formação clássica e encantam-se constantemente com a "riqueza" que encontram nas terras dos pais: Alijó e Ponte de Lima. Habituaram-se a não ser de lado algum, mas como a música é universal, são "do mundo".

"Em França somos portugueses, em Portugal somos franceses", contam, nota-se um bocadinho de mágoa na voz. "Somos mais portugueses na Sibéria e na Sardenha do que aqui", acrescenta um dos irmãos.

"Temos o património genético e artístico de Portugal", sublinham, mas é quando falam dos tantos sotaques portugueses que existem, dos vários "Minhos" dentro do Minho ou dos cantares que já serviram de tema de estudo de um deles, é que se percebe que são - e merecem que se diga - portugueses.