Cão desaparecido no Seixal apareceu um ano e dois meses depois em Coimbra

Fox, um cão pastor, estava desnutrido, "praticamente só com a pele", e foi encontrado por uma mulher que alertou a associação Condeixa Patudos. Estava a mais de 200 kms de casa mas já está com os donos

David Mandim
Fox reencontrou ontem a dona, em Condeixa-a-Nova© Condeixa Patudos

Foi numa noite de trovoada que, há um ano e dois meses, Fox, um cão de grande porte, fugiu de casa no Seixal. A dona, Ana Cristina Silva, procurou por todos os meios encontrar o animal. E Fox apareceu na segunda-feira, a mais de 200 kms de casa, em Condeixa-a-Nova, perto de Coimbra. Foi uma mulher que o viu abandonado, muito magro e doente. Contactou a associação de proteção animal Condeixa Patudos e, em pouco tempo, a dona tinha uma grande alegria ao verificar que Fox, de cinco anos, estava vivo. Hoje de manhã, Fox foi entregue à dona e já viajou para o Seixal.

"Na segunda-feira, ligou-me uma senhora que vive perto de Condeixa a dizer que tinha encontrado um cão, muito maltratado, que mal andava e era muito grande. Não tinha chip. Pediu-lhe para guardar o cão até saber o que fazer e assim foi. Quando vi o cão percebi que era meigo. Estava mal, praticamente era só pele e tinha feridas. Estava muito desnutrido. Fiz fotos e vídeos, coloquei no Facebook para ver se alguém o reconhecia. Já era amiga da Ana Cristina Silva no Facebook, devido à causa dos animais, e a dúvida inicial prendeu-se com a ausência de chip, Quando fugiu tinha o chip mas não é o primeiro caso em que vejo a perda do chip. Ela veio cá hoje e confirmou que era ele", contou ao DN Olga Ruth, presidente da Condeixa Patudos.

Ana Cristina Silva confessa ainda estar "meio anestesiada" após o reencontro "emocionante" com o seu cão. "Ele fugiu com a cadela Roxy quando o portão elétrico abriu devido à trovoada. A cadela apareceu dois meses depois, perto de casa. Ele ficou perdido. Procuramos muito, divulgamos fotos. Nunca perdemos a esperança. Há perto de dois meses a Olga Ruth avisou-me que tinha sido avistado um cão parecido lá. Mas não foi possível encontrá-lo na altura. Aconteceu agora, felizmente", disse a dona de Fox, ao DN. O momento serve também de alerta. "As pessoas devem verificar se o chip estava bem colocado. Por vezes saem e nem se dá conta."

Fox, que nasceu de cruzamento entre um pastor alemão e uma pastora belga, perdeu cerca de 20 quilos. "Pesava agora só 18 quilos e quando fugiu andava pelos 40", adiantou Olga Ruth, que confirma ter sido há mês e meio alertada para um cão grande que foi visto a vaguear na zona de Condeixa. "Fui procurá-lo na altura mas não o encontrei."

Não se sabe o que andou a fazer Fox nestes 18 meses nem como foi da margem sul para perto de Coimbra. "Há coisas destas. Ele teve que ser alimentado. A desnutrição que apresenta não é de ano e meio, teria morrido. Pode ter estado com alguém um período de tempo e depois abandonado, não se sabe", acrescentou a reformada que há menos de um ano criou a associação em Condeixa. Já conseguiu a adoção de 153 cães e 72 gatos.

O cão foi visto por um veterinário e ainda precisa de ser de novo avaliado. "Pode ter doenças. Mas creio que o principal problema é a desnutrição e irá recuperar", disse Olga Ruth. Ana Cristina Silva teme mais pela forma como irá reagir ao regresso ao convívio com a cadela Roxy, passado tanto tempo. "Vamos ver se reconhece tudo em casa."

O reencontro com a dona "foi muito emocionante" e foi registado em vídeo e fotos por Olga Ruth. "Já tinha duas pessoas que se ofereceram para adotá-lo, mas apareceu a dona. Ainda melhor."