Arqueólogos preparam-se para abrir sarcófago de granito no Egito

Antes de abrir o sarcófago é preciso uma longa preparação

Patrícia Jesus
 | foto EPA/Ministério Egípcio das Antiguidades
 | foto EPA/Ministério Egípcio das Antiguidades
 | foto EPA/Ministério Egípcio das Antiguidades

Arqueólogos egípcios preparam-se para abrir um enorme sarcófago de granito preto descoberto no início de julho em Alexandria, no Egito. Com quase três metros, é um dos maiores descobertos nas escavações da antiga cidade e foi encontrado intacto juntamente com uma cabeça de alabastro, ambos enterrados há dois milhares de anos.

A descoberta foi anunciada no Facebook pelo ministério de Antiguidades.

"Esperamos que este túmulo pertença a um alto dignitário" da dinastia ptolemaica, que começou depois de a morte de Alexandre o Grande, três séculos antes de Cristo, disse Ayman Ashmawy, do ministério das antiguidades do Egito, citado no The Guardian.

"Quando abrirmos o sarcófago, esperamos encontrar objetos intactos, que nos ajudem a identificar esta pessoa e a sua posição", acrescentou.

Antes de abrir o sarcófago, no entanto, é preciso uma longa preparação: terá de ser aberto no local, uma vez que o seu peso e dimensão tornam muito complicado o transporte para o museu - só a parte de cima pesa 15 toneladas e está enterrado a cinco metros da superfície.