Alemanha vai deixar de censurar símbolos nazis nos jogos de vídeo

Até agora, os jogos não podiam mostrar simbologia ligada ao regime de Hitler

As referências nazis vão deixar de ser proibidas nos jogos de vídeo alemães, uma proibição que durava desde a década de 1990. Caso não respeitassem as normas, os jogos podiam mesmo ser impedidos de chegar aos pontos de venda.

Foi a famosa série Wolfenstein - no qual o jogador combate contra tropas nazis - que impulsionou a mudança. A mais recente controvérsia ocorreu com Wolfenstein II: The New Colossus, que tem como cenário uma realidade alternativa em que Hitler está vivo e em que os nazis venceram a II Guerra Mundial. Na versão alemã do jogo, Hitler não tem o seu tão característico bigode e e as cruzes suásticas são triângulos.

South Park: The Stick of Truth,Call of Duty: Black Ops e Indiana Jones and the Last Crusade são outros exemplos de jogos que foram censurados na Alemanha. No caso do primeiro, um zombie nazi passou a ser um... retângulo preto.

Mesmas regras que o cinema

A partir de agora, os jogos passarão a reger-se pelas mesmas normas que os filmes, que não estavam sujeitos a censura por serem considerados obras de arte, divulgou a entidade que regula os softwares de entretenimento na Alemanha - a USK.

"Através da alteração da interpretação da lei, os jogos que olham criticamente para assuntos atuais podem, pela primeira vez, receber uma classificação etária", disse a diretora da USK, Elisabeth Secker, citada pelo Telegraph.

Os jogos de vídeo alemães tendem a ser menos violentos que os dos restantes países europeus, segundo a BBC. Tal como também acontece na Austrália, o sangue é evitado, os mortos desaparecem, e os conteúdos sexuais ou violentos são camuflados.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.