Alemanha vai deixar de censurar símbolos nazis nos jogos de vídeo

Até agora, os jogos não podiam mostrar simbologia ligada ao regime de Hitler

As referências nazis vão deixar de ser proibidas nos jogos de vídeo alemães, uma proibição que durava desde a década de 1990. Caso não respeitassem as normas, os jogos podiam mesmo ser impedidos de chegar aos pontos de venda.

Foi a famosa série Wolfenstein - no qual o jogador combate contra tropas nazis - que impulsionou a mudança. A mais recente controvérsia ocorreu com Wolfenstein II: The New Colossus, que tem como cenário uma realidade alternativa em que Hitler está vivo e em que os nazis venceram a II Guerra Mundial. Na versão alemã do jogo, Hitler não tem o seu tão característico bigode e e as cruzes suásticas são triângulos.

South Park: The Stick of Truth,Call of Duty: Black Ops e Indiana Jones and the Last Crusade são outros exemplos de jogos que foram censurados na Alemanha. No caso do primeiro, um zombie nazi passou a ser um... retângulo preto.

Mesmas regras que o cinema

A partir de agora, os jogos passarão a reger-se pelas mesmas normas que os filmes, que não estavam sujeitos a censura por serem considerados obras de arte, divulgou a entidade que regula os softwares de entretenimento na Alemanha - a USK.

"Através da alteração da interpretação da lei, os jogos que olham criticamente para assuntos atuais podem, pela primeira vez, receber uma classificação etária", disse a diretora da USK, Elisabeth Secker, citada pelo Telegraph.

Os jogos de vídeo alemães tendem a ser menos violentos que os dos restantes países europeus, segundo a BBC. Tal como também acontece na Austrália, o sangue é evitado, os mortos desaparecem, e os conteúdos sexuais ou violentos são camuflados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.