Achado arqueológico indica que humanos saíram de África antes do que se pensava

Ferramentas de pedra datadas de há 2,1 milhões de anos confirmam presença humana na Ásia

Ferramentas de pedra descobertas em Shangchen, na China central, mostram que já havia hominídeos na Ásia há 2,1 milhões de anos e podem ajudar a reescrever a história dos humanos.

Estas são as provas mais antigas conhecidas da existência de população fora de África, o que sugere que os hominídeos chegaram à Ásia muito antes do que se pensava, lê-se num estudo publicado na revista científica Nature, de 11 de julho.

Os cientistas reiteram que as ferramentas foram feitas por hominídeos e acreditam na sua antiguidade. A descoberta pode forçar os investigadores a reconsiderar quando e que espécies saíram de África.

"Este é um novo jogo de bola paleo", diz William Jungers, paleoantropólogo da Universidade Stony Brook, em Nova York, citado pela Nature.

A maioria dos cientistas afirma que os primeiros hominídeos - a linha evolutiva dos seres humanos - deixaram o continente africano, onde surgiram, há cerca de 1,85 milhões de anos. Esta é a idade dos fósseis mais antigos descobertos na Ásia - em Dmanisi, pequena cidade da Geórgia, na região do Cáucaso.

As novas descobertas foram resultado de trabalhos arqueológicos feitos entre 2004 e 2017. Dezenas de ferramentas de pedra relativamente simples foram descobertas. Segundo a Nature, as mais recentes têm 1,26 milhões de anos e as mais antigas contam com cerca de 2,12 milhões de anos.

Porém, podem existir indícios mais antigos do que os agora revelados. Pelo menos é essa a opinião de John Kappelman, um antropólogo e geólogo da Universidade do Texas, em Austin. À revista explica que existem camadas de solo mais profundas que não foram estudadas, uma vez que a região é cultivada.

O coautor do estudo Robin Dennell, arqueólogo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, diz que a equipa descartou a possibilidade de as pedras terem sido moldadas por processos naturais, como a possibilidade de um rio ter trabalhado as pedras fazendo-as parecer ferramentas, já que nenhum rio antigo é conhecido na região de Shangchen.

A identidade dos criadores das peças é ainda desconhecido, uma vez que nenhum osso hominídeo foi recuperado em Shangchen. "Nós todos gostaríamos de encontrar um hominídeo - de preferência um com uma ferramenta na mão", diz Dennell, citado na revista.

O Homo Erectus é uma possibilidade, porque alguns dos primeiros membros desta espécie foram encontrados em Dmanisi. Mas Dennell acha que os criadores das ferramentas podem pertencer a uma espécie anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.