Achado arqueológico indica que humanos saíram de África antes do que se pensava

Ferramentas de pedra datadas de há 2,1 milhões de anos confirmam presença humana na Ásia

Ferramentas de pedra descobertas em Shangchen, na China central, mostram que já havia hominídeos na Ásia há 2,1 milhões de anos e podem ajudar a reescrever a história dos humanos.

Estas são as provas mais antigas conhecidas da existência de população fora de África, o que sugere que os hominídeos chegaram à Ásia muito antes do que se pensava, lê-se num estudo publicado na revista científica Nature, de 11 de julho.

Os cientistas reiteram que as ferramentas foram feitas por hominídeos e acreditam na sua antiguidade. A descoberta pode forçar os investigadores a reconsiderar quando e que espécies saíram de África.

"Este é um novo jogo de bola paleo", diz William Jungers, paleoantropólogo da Universidade Stony Brook, em Nova York, citado pela Nature.

A maioria dos cientistas afirma que os primeiros hominídeos - a linha evolutiva dos seres humanos - deixaram o continente africano, onde surgiram, há cerca de 1,85 milhões de anos. Esta é a idade dos fósseis mais antigos descobertos na Ásia - em Dmanisi, pequena cidade da Geórgia, na região do Cáucaso.

As novas descobertas foram resultado de trabalhos arqueológicos feitos entre 2004 e 2017. Dezenas de ferramentas de pedra relativamente simples foram descobertas. Segundo a Nature, as mais recentes têm 1,26 milhões de anos e as mais antigas contam com cerca de 2,12 milhões de anos.

Porém, podem existir indícios mais antigos do que os agora revelados. Pelo menos é essa a opinião de John Kappelman, um antropólogo e geólogo da Universidade do Texas, em Austin. À revista explica que existem camadas de solo mais profundas que não foram estudadas, uma vez que a região é cultivada.

O coautor do estudo Robin Dennell, arqueólogo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, diz que a equipa descartou a possibilidade de as pedras terem sido moldadas por processos naturais, como a possibilidade de um rio ter trabalhado as pedras fazendo-as parecer ferramentas, já que nenhum rio antigo é conhecido na região de Shangchen.

A identidade dos criadores das peças é ainda desconhecido, uma vez que nenhum osso hominídeo foi recuperado em Shangchen. "Nós todos gostaríamos de encontrar um hominídeo - de preferência um com uma ferramenta na mão", diz Dennell, citado na revista.

O Homo Erectus é uma possibilidade, porque alguns dos primeiros membros desta espécie foram encontrados em Dmanisi. Mas Dennell acha que os criadores das ferramentas podem pertencer a uma espécie anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)