Achado arqueológico indica que humanos saíram de África antes do que se pensava

Ferramentas de pedra datadas de há 2,1 milhões de anos confirmam presença humana na Ásia

Ferramentas de pedra descobertas em Shangchen, na China central, mostram que já havia hominídeos na Ásia há 2,1 milhões de anos e podem ajudar a reescrever a história dos humanos.

Estas são as provas mais antigas conhecidas da existência de população fora de África, o que sugere que os hominídeos chegaram à Ásia muito antes do que se pensava, lê-se num estudo publicado na revista científica Nature, de 11 de julho.

Os cientistas reiteram que as ferramentas foram feitas por hominídeos e acreditam na sua antiguidade. A descoberta pode forçar os investigadores a reconsiderar quando e que espécies saíram de África.

"Este é um novo jogo de bola paleo", diz William Jungers, paleoantropólogo da Universidade Stony Brook, em Nova York, citado pela Nature.

A maioria dos cientistas afirma que os primeiros hominídeos - a linha evolutiva dos seres humanos - deixaram o continente africano, onde surgiram, há cerca de 1,85 milhões de anos. Esta é a idade dos fósseis mais antigos descobertos na Ásia - em Dmanisi, pequena cidade da Geórgia, na região do Cáucaso.

As novas descobertas foram resultado de trabalhos arqueológicos feitos entre 2004 e 2017. Dezenas de ferramentas de pedra relativamente simples foram descobertas. Segundo a Nature, as mais recentes têm 1,26 milhões de anos e as mais antigas contam com cerca de 2,12 milhões de anos.

Porém, podem existir indícios mais antigos do que os agora revelados. Pelo menos é essa a opinião de John Kappelman, um antropólogo e geólogo da Universidade do Texas, em Austin. À revista explica que existem camadas de solo mais profundas que não foram estudadas, uma vez que a região é cultivada.

O coautor do estudo Robin Dennell, arqueólogo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, diz que a equipa descartou a possibilidade de as pedras terem sido moldadas por processos naturais, como a possibilidade de um rio ter trabalhado as pedras fazendo-as parecer ferramentas, já que nenhum rio antigo é conhecido na região de Shangchen.

A identidade dos criadores das peças é ainda desconhecido, uma vez que nenhum osso hominídeo foi recuperado em Shangchen. "Nós todos gostaríamos de encontrar um hominídeo - de preferência um com uma ferramenta na mão", diz Dennell, citado na revista.

O Homo Erectus é uma possibilidade, porque alguns dos primeiros membros desta espécie foram encontrados em Dmanisi. Mas Dennell acha que os criadores das ferramentas podem pertencer a uma espécie anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.