"A decisão por penáltis deve ser eliminada por causa do risco cardiovascular"

Presidente da Fundação de Cardiologia da Argentina diz que o risco de enfartes é maior. E dá exemplos de casos em três mundiais

No Mundial de futebol que está a decorrer na Rússia já houve três jogos decididos por penáltis, após os jogos terem terminado empatados. O último foi o Inglaterra-Colômbia, com as imagens de sofrimento do selecionador da Colômbia, o argentino José Pékerman, a ser uma imagem evidente da tensão que o momento cria. A expressão "jogo impróprio para cardíacos" é mesmo muito recorrente nos comentários futebolísticos. Há risco para a saúde? Sim, diz um cardiologista argentino.

"A decisão por penáltis deve ser eliminada devido ao fator de risco cardiovascular", aponta o médico Jorge Eduardo Tartaglione, presidente da Fundação de Cardiologia da Argentina, ao jornal Clarín. "Os cardiologistas descobriram uma relação evidente entre as emoções, o futebol e o coração", explicou .

Tartaglione parece ter o assunto estudado e sacou de vários exemplos: "Em 1998, no Mundial de França, durante a decisão por grandes penalidades entre Argentina e Inglaterra, a taxa de ataques cardíacos na Inglaterra aumentou 30%." Acrescentou que em 2006, na Alemanha, ao longo dos sete jogos disputados pela seleção alemã "aumentou o número de pessoas hospitalizadas por enfarte em todas as unidades coronárias de Munique". Como prova dos efeitos, o médico realça que "quando a Alemanha foi eliminada, a taxa de ataques cardíacos começou a descer."

Um terceiro exemplo é do Mundial na África do Sul, em 2010. "Quando o Uruguai venceu nos penáltis contra o Gana, em que Sebastian 'Loco' Abreu picou a bola à Panenka na última penalidade, uma mulher sofreu um enfarte no Uruguai, quando assistia à decisão", recordou o médico argentino.

Jorge Eduardo Tartaglione aponta, contudo, que o futebol pode ter fatores positivos. "Em 1998, depois da França se sagrar campeã, em Paris houve uma queda na taxa de ataques cardíacos", diz o especialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.