"A decisão por penáltis deve ser eliminada por causa do risco cardiovascular"

Presidente da Fundação de Cardiologia da Argentina diz que o risco de enfartes é maior. E dá exemplos de casos em três mundiais

No Mundial de futebol que está a decorrer na Rússia já houve três jogos decididos por penáltis, após os jogos terem terminado empatados. O último foi o Inglaterra-Colômbia, com as imagens de sofrimento do selecionador da Colômbia, o argentino José Pékerman, a ser uma imagem evidente da tensão que o momento cria. A expressão "jogo impróprio para cardíacos" é mesmo muito recorrente nos comentários futebolísticos. Há risco para a saúde? Sim, diz um cardiologista argentino.

"A decisão por penáltis deve ser eliminada devido ao fator de risco cardiovascular", aponta o médico Jorge Eduardo Tartaglione, presidente da Fundação de Cardiologia da Argentina, ao jornal Clarín. "Os cardiologistas descobriram uma relação evidente entre as emoções, o futebol e o coração", explicou .

Tartaglione parece ter o assunto estudado e sacou de vários exemplos: "Em 1998, no Mundial de França, durante a decisão por grandes penalidades entre Argentina e Inglaterra, a taxa de ataques cardíacos na Inglaterra aumentou 30%." Acrescentou que em 2006, na Alemanha, ao longo dos sete jogos disputados pela seleção alemã "aumentou o número de pessoas hospitalizadas por enfarte em todas as unidades coronárias de Munique". Como prova dos efeitos, o médico realça que "quando a Alemanha foi eliminada, a taxa de ataques cardíacos começou a descer."

Um terceiro exemplo é do Mundial na África do Sul, em 2010. "Quando o Uruguai venceu nos penáltis contra o Gana, em que Sebastian 'Loco' Abreu picou a bola à Panenka na última penalidade, uma mulher sofreu um enfarte no Uruguai, quando assistia à decisão", recordou o médico argentino.

Jorge Eduardo Tartaglione aponta, contudo, que o futebol pode ter fatores positivos. "Em 1998, depois da França se sagrar campeã, em Paris houve uma queda na taxa de ataques cardíacos", diz o especialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.