"A abertura do dating pode afastar pessoas do Facebook"

Luís Santos, professor de jornalismo e membro do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, explica as fragilidades do Facebook Dating

O que acha do timing deste lançamento?

O Facebook está a ter uma crise de identidade muito profunda, porque o modelo de negócio está assente na rentabilização da nossa presença na plataforma e portanto quanto mais lá estamos mais negócio há. Isso traz implicações legais, políticas, sociais muito mais graves do que eles teriam pensado mas que estão ligadas a este modelo de negócio. Agora estão a tentar diversificar de uma forma que acho que pode ser arriscada.

Por causa dos dados sensíveis?

Sim, e porque a abertura deste novo campo pode afastar pessoas do Facebook.

Que tipo de pessoas?

Os estudos recentes dizem que os mais novos têm algumas dificuldades em ligar-se ao Facebook, ligam-se a outras plataformas. Diria que os mais novos não entrariam neste jogo de forma aberta, e eventualmente pessoas que vejam nisso um desvirtuar da plataforma podem sentir-se ainda mais tentadas a sair. De que forma a plataforma vai utilizar os meus dados passados no novo perfil?

Há estudos que apontam para os efeitos negativos das redes sociais, e outros destacam os positivos. Onde enquadraria isto?

É as duas coisas ao mesmo tempo, o que torna estes fenómenos complexos. Encaixa num comportamento compulsivo que as pessoas já têm e encontra acolhimento numa plataforma viciante. O fluxo constante, o pulsar, likes a aparecerem em tempo real. Aumenta de forma estrondosa a confusão que já existia entre a nossa vida pessoal e a vida profissional, e isso tem impactos positivos e negativos. Há um nível de intervenção no nosso comportamento social que padroniza alguns tipos de comportamentos, como as reações por multidão e as efervescências. Nalgumas pessoas, isto reduz o seu comportamento ao mínimo. Estamos todos a vigiar-nos ao mesmo tempo. Temos uma predisposição para ditar sentenças sobre a vida dos outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.