Associação Zoófila vai a eleições em clima de guerra

Há uma "campanha vergonhosa contra a associação" por parte de "pessoas sem caráter", diz a atual presidente da AZP, que decidiu não se recandidatar depois de ser alvo de uma queixa-crime por abuso de confiança. Várias associações da causa animal fizeram um comunicado a apoiar Ana Fernandes, que foi candidata pelo PAN à Câmara de Odivelas.

"Perante o nível a que chegou esta campanha vergonhosa, com pessoas com tão mau caráter a atacar a associação, e para não prejudicar mais a AZP, resolvi não me candidatar." É assim que Ana Fernandes, presidente da Associação Zoófila Portuguesa desde 2009 e acusada pelo conselho fiscal em exercício de "negócios consigo própria", por ser dona de uma empresa que cobrou mais de 25 mil euros de serviços à AZP, justifica o facto de não integrar nenhuma das duas listas que disputarão as eleições marcadas para 29 de julho.

Também num comunicado de solidariedade com Ana Fernandes publicitado a 10 de julho pela Associação Animal, e subscrito por dez outras associações, se faz a identificação da AZP com a sua presidente, considerando que tornar públicas as acusações de que esta é alvo corresponde a "uma detração da imagem da AZP" colocando "em risco a já precária situação dos animais a seu cuidado, bem como de quem deles cuida".

O comunicado afirma mesmo que a publicitação das acusações a Ana Fernandes, que é deputada municipal pelo PAN em Odivelas, prejudica a causa e todas as associações a ela dedicadas: "Consideramos que as mais recentes notícias que colocam em causa a sua idoneidade são altamente prejudiciais àqueles cujos interesses e direitos servimos: os animais. (...) este tipo de procedimento prejudica gravemente todas as associações de proteção animal (...)."

"Ganhar votos e aparecer"

As notícias em causa - que têm origem num trabalho publicado no DN a 28 de junho -- referem diversas irregularidades imputadas a Ana Fernandes pelo conselho fiscal e por membros da anterior direção. Além de uma empresa detida pela presidente ter cobrado serviços à AZP num total de 25 mil euros, também a compra de um telemóvel por 843 euros sem decisão colegial prévia e a aquisição, em fevereiro de 2017, de mais de três mil euros de ração fora de prazo de uma marca de que a sua empresa detinha a representação (de acordo com a direção da AZP, em resposta a pergunta do DN sobre se já fora ressarcida deste gasto, "foi emitida nota de crédito tal como acordado com a empresa distribuidora").

Consideramos que as mais recentes notícias que colocam em causa a sua idoneidade são altamente prejudiciais àqueles cujos interesses e direitos servimos: os animais. (...) Este tipo de procedimento prejudica gravemente todas as associações de proteção animal.

Estas acusações foram reveladas numa assembleia geral extraordinária da AZP, convocada a pedido de um grupo de associados, a 26 de maio, a qual, tendo terminado sem se concluir a ordem de trabalhos, deveria ter sido alvo de continuação, o que não sucedeu. Já em junho, após o DN ter tido conhecimento dos factos e contactado Ana Fernandes e a presidente do conselho fiscal, Luísa Coelho, para obter esclarecimentos, a direção e a assembleia geral demitiram-se, anunciando a convocação de novas eleições e também a demissão do conselho fiscal, apesar de a presidente deste asseverar que o órgão se mantém em funções e tentar publicar no site da AZP e respetivo Facebook um comunicado com essa posição, o que foi negado.

O clima de conflito na AZP, porém, é muito anterior a estas notícias; é a segunda vez neste ano que a associação vai a eleições, e as anteriores, em abril, também se deveram à demissão da maioria dos membros da anterior direção por, alegadamente, não concordarem com a gestão de Ana Fernandes. E já depois disso houve outra demissão, a da vice-presidente da direção eleita em abril, Eulália Rocha da Silveira. Esta saiu a 1 de junho, na sequência da assembleia geral de 26 de maio, por, explicou ao DN, "não achar normal o que se passava".

Muito crítica de Ana Fernandes e dos restantes membros da direção, que considera "não serem as pessoas indicadas para estarem na direção de uma associação" por, alega, não ter visto nelas "nenhuma sincera preocupação com a causa animal, apenas ganhar eleições, ganhar votos e aparecer", Eulália Rocha da Silveira, cuja demissão nunca foi formalmente anunciada aos sócios da AZP (quem controla os canais de comunicação, a direção e a mesa da assembleia geral entendeu não o fazer), é agora candidata a presidente da AZP na lista B, que integra também a presidente do atual conselho fiscal, Luísa Coelho, que apresentou a queixa-crime contra Ana Fernandes e dois elementos da direção que esteve em funções até abril.

Uma dos quais, Raquel Leite, agora candidata a vogal da direção, é a autora do mail dirigido aos corpos sociais e no qual se pedia explicações sobre a empresa Izumix e a sua relação com a AZP - mail esse que levaria à revelação de que essa empresa, que há anos cobra serviços à AZP, é detida por Ana Fernandes.

A criação de um conselho de ética é uma das novidades da lista B, que também propõe acabar com a possibilidade de os membros da direção auferirem um salário - Ana Fernandes está a receber mil euros por mês desde maio e dois membros da direção recebem 580 euros cada - e contratar um gestor para o hospital veterinário da AZP, cujo volume de negócios é de cerca de um milhão de euros/ano.

Por outro lado, na lista A estão duas vogais da direção demissionária, Cristina d'Eça Leal e Bianca Santos. Esta última partilhou no início de julho, por mail que chegou ao conhecimento do DN, a proposta do comunicado referido acima como sendo uma iniciativa da Associação Animal e exortando as outras associações de proteção animal a solidarizarem-se: "Hoje é pela AZP, amanhã pode ser outra associação a precisar."

Ao DN, Bianca Santos, que no mail referido não se identificava como vogal da direção da AZP mas como "Consultoria e investigação em Direito Animal/mestre em Direito Animal e Sociedade", assume o gesto como "uma defesa do princípio da presunção da inocência da AZP e da pessoa que presidia à AZP, independentemente da minha posição como membro da direção". O programa da lista A, disponibilizado hoje, anuncia a abertura de "um novo espaço, com novas valências", a reforma das instalações do hospital e a criação de outros polos veterinários", assim como a obtenção do estatuto de utilidade pública.

"Já disseram que me querem expulsar"

Certificando ao DN que até agora não foi chamada pela justiça, Ana Fernandes, que é técnica dirigente da administração pública, tendo ocupado vários lugares de administração em organismos da dependência do Instituto de Emprego e Formação Profissional, passou, desde maio, a coordenadora do Núcleo Formação e Projetos da Comissão Nacional Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens.

Em junho, quando o DN lhe perguntou se tinha solicitado, nos termos da lei, autorização para acumular as suas funções como servidora pública com a remuneração de mil euros pela presidência da AZP, respondeu: "Na sequência de um convite que me foi formulado no início do ano iniciei funções num serviço novo a 1 de maio deste ano, nesse mesmo dia fiz o requerimento de acumulação de funções que teve resposta favorável no dia seguinte. É de referir que a minha mudança para este novo desafio foi condicionada por dois fatores, um ter jornada contínua de modo a sair às 15.30 e dessa forma ter tempo para o exercício de outra atividade e o outro fator o de poder ter acumulação de funções, em concreto poder acumular com a presidência da direção da AZP."

A Ana Fernandes continua a confundir a AZP com ela própria. E é ela que está a causar danos reputacionais graves à AZP.

Questionada pelo DN sobre que tipo de relação tenciona manter com a AZP agora que abandona a direção, é irónica: "A minha manutenção como sócia depende de qual lista ganhe, porque a lista B já disse que iria expulsar-me. Mas mesmo que ganhe a lista A, nos primeiros tempos irei descansar." Acrescenta, porém, que está certa de que se a lista A ganhar a lista B impugnará as eleições.

Uma possibilidade que Luísa Coelho, presidente do conselho fiscal, não põe de lado, precisamente por a direção demissionária ter decretado que o conselho fiscal se demitira quando, mantém, tal não é verdade. Quanto à expulsão de Ana Fernandes, nega que esteja no programa da lista B. "É uma lista a favor da AZP, não contra a Ana Fernandes. Temos ideias muito claras sobre o que deve fazer a AZP para cumprir a sua missão. O que está no programa é a continuação da assembleia geral extraordinária de 26 de maio, que tinha um ponto sobre as consequências legais e estatutárias das ações da presidente da direção, ponto que não chegou a ser discutido."

Luísa Coelho aproveita também para exprimir a sua perplexidade com o facto de da auditoria anunciada pela direção demissionária como tendo como alvo as contas e o funcionamento da AZP - e do respetivo conselho fiscal - ainda nada se saber. Confrontada com o facto de a presidente demissionária acusar os que a criticam de prejudicar a AZP, é cortante: "A Ana Fernandes continua a confundir a AZP com ela própria. E é ela que está a causar danos reputacionais graves à AZP."

Nota: Notícia alterada às 14.05 de 30 de julho. Ao contrário do que se afirmava, Ana Fernandes não é dirigente do PAN. Foi candidata por este partido à presidência da Câmara Municipal de Odivelas nas autárquicas de 2017 e está mandatada para substituir o deputado municipal eleito pelo PAN Nelson Silva. Esclarecimento prestado pelo PAN, ao qual, como aos leitores, se apresentam desculpas pela incorreção.

Em relaç ão a esta notícia o DN recebeu um direito de rectificação, que passa a transcrever:

Lemos com atenção o artigo que publicou e gostaríamos de salientar que relativamente a esta citação "...e acordo com a direção da AZP, em resposta a pergunta do DN sobre se já fora ressarcida deste gasto, "foi emitida nota de crédito tal como acordado com a empresa distribuidora" " a informação não é clara:

A nota de crédito em causa refere-se à fatura apresentada na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da AZP a 26 de maio, EUR 2,941.07 euros de ração fora de prazo. A nota de crédito referida no artigo, emitida pelo distribuidor, foi emitida apenas e só porque o distribuidor foi ressarcido pela IZUMIX, empresa unipessoal da Dra. Ana Fernandes. Isto é, a Dra. Ana Fernandes ressarciu a AZP pela ração fora de prazo que ela própria tinha vendido à AZP.

Posteriormente à dita AGE, o Conselho Fiscal da AZP apurou que havia mais faturas irregulares. O total de ração fora de prazo vendida pela Dra. Ana Fernandes à AZP é de 7,326.37 euros. O valor restante, 4,385.31 euros, não foi devolvido.

O Conselho Fiscal tem provas documentais sobre tudo o que aqui é afirmado. Como existem provas documentais sobre todas as irregularidades apresentadas em sede da AGE interrompida e sobre a qual nunca mais foi dado qualquer esclarecimento aos associados.

Luísa Coelho, Presidente

Teresa David, 2ª Vogal

Conselho Fiscal

Associação Zoófila Portuguesa

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.