Instituições de ensino superior com novos critérios de avaliação

O combate à fraude académica, os apoios sociais ou a proteção de todos os elementos da comunidade académica contra qualquer tipo de intolerância e discriminação são alguns dos parâmetros que passam a ser considerados no momento de avaliação das instituições de ensino superior.

As instituições de ensino superior vão passar a ser avaliadas tendo em conta critérios como o combate à fraude académica, os apoios sociais ou a garantia de proteção de todos contra a intolerância e discriminação.

Este é o resultado da aprovação do projeto de Lei do PSD sobre o regime jurídico da avaliação do ensino superior, que contou com os votos favoráveis do PSD, do CDS-PP e do PAN, a abstenção do BE, do PCP e dos Verdes e os votos contra do PS.

Na última sessão plenária da atual legislatura, os deputados aprovaram o diploma do PSD que veio alterar algumas regras do Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior (RJAES), que já tem 12 anos de existência.

"A avaliação tem por referencial as boas práticas internacionais na matéria e segue a convergência de normas de avaliação a nível europeu" é a primeira alteração feita ao diploma.

A garantia da integridade e liberdade académica, a vigilância contra a fraude académica e a proteção de todos os elementos da comunidade académica contra qualquer tipo de intolerância e discriminação são alguns dos parâmetros que passam a ser considerados no momento de avaliação das instituições.

A "oferta de formações para públicos diferenciados" também vai ser avaliada

No documento, o PSD lembra que na avaliação da qualidade das instituições devem ser tidos em conta os mecanismos de ação social e de combate ao abandono escolar ou as condições de frequência dos trabalhadores estudantes.

A garantia da integridade e liberdade académica, a vigilância contra a fraude académica e a proteção de todos os elementos da comunidade académica contra qualquer tipo de intolerância e discriminação são outros dos itens que passam a ser avaliados.

O corpo docente não é esquecido: "A garantia de mérito nos concursos de pessoal docente" também faz parte dos novos critérios, que acrescentam ainda "a oferta de formações para públicos diferenciados e em diferentes modalidades, com ênfase nas digitais".

Entre os objetivos da avaliação da qualidade também passam a estar consagrados a facilitação do reconhecimento de instituições e graus académicos e da mobilidade a nível europeu.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.